Espanhol Português Inglês
Novidade - Cotação Online
GUIA ONLINE
DE FORNECEDORES
Fabricantes Distribuidores Empresas
Busca Geral
Participe agora mesmo
CADASTRE-SE AGORA MESMO!


Voltar

Arla Foods tem como meta a produção de laticínios zero carbono líquido até 2050

A maior cooperativa de lácteos da Europa, a Arla Foods, prometeu operar globalmente do ponto de vista da rede de carbono zero até 2050. Essas metas serão “totalmente compensadas por melhorias em toda a cadeia de fornecimento e alinhadas com a natureza para aumentar ainda mais a biodiversidade ”, anunciou a empresa.

Esses novos alvos vêm depois que a cooperativa, proprietária de 10.300 fazndas na Grã-Bretanha, Alemanha, Dinamarca, Suécia, Finlândia, Holanda e Bélgica, mostrou que o crescimento dos negócios pode ser alcançado sem um impacto ambiental significativo. Enquanto a Arla Foods produz anualmente mais de 40% de leite desde os níveis de produção de 2005, suas emissões de CO2 reduziram em 22% na produção e nas embalagens e as emissões de CO2 por quilo de leite caíram 24% desde 1990.

Somente a pecuária é responsável por até 18% dos gases de efeito estufa que contribuem para o aquecimento global, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU). As pessoas precisam mudar a forma como usam a energia para se alimentar, viajar e viver, por exemplo, reduzindo seu consumo de carne e produtos lácteos, dirigindo veículos elétricos ou utilizando transporte público e comprando produtos de baixo carbono, segundo a ONU.

“Um dos maiores desafios que enfrentamos é fornecer alimentos naturais e nutritivos para uma população em crescimento, reduzindo nosso impacto coletivo no mundo ao nosso redor. A Arla já mostrou que isso é possível e as novas ambições garantirão que os agricultores, locais de produção e produtos da Arla continuem a desempenhar seu papel no desenvolvimento de um mundo sustentável para todos”, explica Ash Amirahmadi, diretor administrativo da Arla Foods UK.

David Christensen, um agricultor da Arla Foods UK, com sede em Oxfordshire, diz: “O maior desafio é a própria vaca, a maneira como seu estômago funciona e libera metano e outros gases. Para nós, essa é a parte mais difícil de alterar. Podemos garantir que nossas vacas estejam saudáveis, garantir que elas sejam mais eficientes e também podemos procurar novas formas de alimentação que possam reduzir o metano e outros gases”.

De acordo com Christensen, essas iniciativas não são apenas sobre o que os consumidores querem, mas sobre toda a população como um todo. “Todos nós queremos fazer a nossa parte para garantir a sobrevivência a longo prazo da fábrica - os consumidores, o público e, o que é importante, o que nós, como agricultores, queremos fazer para ajudar”, diz ele.

"Já percorremos um longo caminho, mas ainda há muito que pode ser feito. O principal é ser rentável e lucrativo ao mesmo tempo”, observa Christensen. “Isso, geralmente, se refere a eficiência; quanto mais eficiente você for, mais sustentável será o seu negócio”.

“Queremos que os clientes desfrutem de produtos lácteos sem se preocuparem com o efeito sobre o planeta - assim como os agricultores, que são muito importantes para mim”, continua Christensen. "Não se trata apenas de consumidores, eles são essenciais para isso, mas eu também quero uma consciência clara no que estou fazendo - em fazer a coisa certa para o planeta", diz ele.

Embora as metas sejam ambiciosas e exijam mudanças radicais em seus negócios nas próximas décadas, a Arla Foods acredita que elas são possíveis como resultado do ritmo acelerado de mudanças na tecnologia e da eficiência crescente nas fazendas.

De acordo com a empresa, os exemplos de melhores práticas da Arla no Reino Unido já provaram isso:

A primeira instalação de processamento de leite com carbono líquido zero no mundo - A mais moderna instalação de processamento de leite da empresa, em Aylesbury, no Reino Unido, foi desenvolvida para ser a primeira instalação zero-carbono do tipo usando biogás produzido no local e digestão anaeróbica. Desde então, a unidade criou uma economia circular para suas operações, trabalhando com a Olleco e a McDonald's.

Quatrocentos e vinte e quatro toneladas de resíduos alimentares potenciais redistribuídos para a Fareshare - A Arla Foods e a FareShare concordaram em redistribuir os produtos excedentes através das suas redes para instituições de caridade que preparam refeições para pessoas carentes. Em 2018, a Arla Foods forneceu 424 toneladas de produtos lácteos ao FareShare, o suficiente para fazer mais de 1 milhão de refeições para pessoas necessitadas.

Uma redução de 48% de carbono plástico da Arla no Reino Unido - Isso equivale a 72.937 toneladas desde 2005, ou mais de dois milhões de garrafas de 4 litros de leite na prateleira. A Arla Foods conseguiu isso reduzindo o peso de suas garrafas de leite padrão em 25,5%, usando até 40% de plástico reciclado e fazendo com que 84% das embalagens produzidas no Reino Unido fossem recicláveis.

Pensar com responsabilidade em tudo o que a Arla Foods faz - Nenhum óleo de palma é usado nos produtos da Arla Foods fabricados no Reino Unido. Onde for necessário em produtos fabricados fora do Reino Unido, todos os produtos de óleo de palma são 100% provenientes de produtores certificados pela RSPO, que foram verificados independentemente. O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) cita a Arla como líder entre seus compradores.

Aplicar princípios cooperativos à natureza - Fazer parte de uma cooperativa significa trabalhar em conjunto. Os agricultores da Arla trabalham com a natureza ao seu redor para aplicar as melhores medidas ambientais para as terras que cultivam. Isto significa que enquanto todos os agricultores da Arla Foods trabalham de forma diferente, todos eles estão trabalhando para um mundo mais sustentável.

Exemplos de ações tomadas pelos agricultores da Arla no Reino Unido para impulsionar mudanças sustentáveis incluem:

Noventa por cento das vacas de agricultores da Arla no Reino Unido pastam na grama ao ar livre. Em média, essas vacas pastam durante 16 horas por dia, 180 dias por ano. O pastoreio é apenas um dos muitos sistemas de manejo da terra que ajuda a absorver dióxido de carbono da atmosfera.

Quase 1.500 fazendas da Arla abrem parte de suas terras para uso público, com os agricultores assumindo a responsabilidade pelo cuidado e manutenção das sebes da Grã-Bretanha e por mais de 10.000 quilômetros de trilhas públicas.

Aproximadamente 2.200 acres de terras pertencentes a agricultores da Arla são deixados em pousio para que a vida selvagem floresça.

Muitos agricultores usam fontes de energia renovável; nas 10.300 propriedades rurais da Arla, a eletricidade produzida nas fazendas equivale a 61% do uso total de eletricidade.

Arthur Fearnall, proprietário de uma fazenda da Arla Foods, explica: “Todos os dias os agricultores da Arla tomam medidas para apoiar e modelar o campo da Grã-Bretanha. Ninguém sente mais os efeitos dos padrões climáticos variáveis do que os agricultores, e isso tem um impacto direto nos animais que cuidamos, nos alimentos que produzimos e no dinheiro que fazemos ”.

“Demos alguns grandes passos na Arla Foods, mas não conseguimos tirar os pés do pedal. Cada empresa e indivíduo em todos os setores da vida precisará pensar sobre seu impacto no mundo nos próximos anos ”, conclui.




Envie uma notícia



Telefone:

+55 11 5524-6931

Fique conectado:

Curta nossa Fanpage:
facebook.com/AditivosIngredientes

© EDITORA INSUMOS LTDA.

Av. Sargento Geraldo Santana,
567 – 1º andar
CEP 04674-225
São Paulo, SP - Brasil

001