Guia 2021

Cadastre-se
anuncie
MENU
Participe agora mesmo
Votações
COTAÇÃO DE INGREDIENTES
GUIA DE FORNECEDORES
CADASTRE SUA EMPRESA - CLIQUE AQUI


Voltar

Lucro da M. Dias Branco cai 21,1% no 4º trimestre, mas tem alta em 2020

A M. Dias Branco, empresa que atua nos mercados de biscoitos e massas no Brasil, registrou lucro líquido de 209 milhões de reais no quarto trimestre de 2020, queda de 21,1% em relação ao mesmo período do ano anterior, pressionada por maiores custos com trigo e câmbio, enquanto a demanda interna recuou. Na mesma linha, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) atingiu 192,2 milhões de reais no trimestre, redução de 33,5% ante igual período de 2019. A receita líquida ficou praticamente estável, com variação positiva de 0,4% no ano a ano, para 1,7 bilhão de reais, afetada por uma diminuição no poder de compra das famílias.

Quebrando um ciclo de alta visto desde o início da pandemia da Covid-19, os três últimos meses do ano marcaram queda de 15,5% no volume total de vendas, para 415,7 mil toneladas, em relação ao mesmo intervalo de 2019. A comercialização de biscoitos baixou 10% e de massas, 9,9%.

Apesar de um quarto trimestre desafiador, a M. Dias Branco acumulou alta de 37,2% no lucro líquido de 2020, para 763,8 milhões de reais, enquanto o Ebitda subiu 26,2%, para 974,3 milhões de reais.

A receita líquida anual cresceu 18,8%, para 7,25 bilhões de reais, impulsionada por aumentos tanto no volume de vendas de biscoitos (11,7%), quanto de massas (22%). Além do crescimento no comercialização, a empresa também viu um acréscimo de 6,1% no preço médio do portfólio de produtos. “O lucro do ano cresceu principalmente em função da receita e do aumento na demanda ocorrido no segundo e terceiro trimestres, apesar do ano ter sido marcado por custos muito elevados”, disse Fabio Cefaly, diretor executivo de Relações com Investidores e Novos Negócios da M. Dias Branco.

Cefaly calcula que a empresa contou com um impacto negativo na casa dos 680 milhões de reais apenas em função do dólar.

Em contrapartida, o executivo destacou que a alavancagem, medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda, fechou 2020 em 0,4 vez, abaixo do patamar de 0,8 vez registrado no quarto trimestre de 2019. “A alavancagem mostra que saímos desse ano com um balanço mais forte do que o que a gente entrou”, avaliou. Isso permitiu que a empresa desse um salto de 81,8% na remuneração aos acionistas em 2020, para o total de 154,5 milhões de reais em dividendos e juros sobre capital próprio.

Para 2021, Cefaly disse que o cenário é adverso, com destaque para a questão dos custos, e o retorno do auxílio emergencial podendo ajudar a dar um fôlego para a demanda, embora este não seja o único motor de crescimento para empresa.

Fonte: Newtrade




Envie uma notícia



Telefone:

11 3628-6931       11 99834-5079

Newsletter:

Fique conectado:

© EDITORA INSUMOS LTDA.

Av. Srg. Lourival Alves de Souza
130 - Conj. 113 - 1˚ Andar
04675-020 - Jardim Taquaral
São Paulo, SP - Brasil

001