MENU
Participe agora mesmo
Votações
COTAÇÃO DE INGREDIENTES
GUIA DE FORNECEDORES
CADASTRE SUA EMPRESA - CLIQUE AQUI


Voltar

Kerry sinaliza avanços revolucionários em ingredientes à base de plantas

A categoria de proteínas vegetais cresce mais rapidamente do que as proteínas lácteas, à medida que os consumidores adotam cada vez mais uma abordagem flexitária à dieta por razões de saúde e sustentabilidade, de acordo com Mindy Leveille, Gerente de Marketing Estratégico Proteínas, da Kerry Taste & Nutrition, e sinaliza que os fabricantes de F&B estão desenvolvendo produtos alternativos à base de plantas de excelente sabor para atender a essa demanda do consumidor. “Muitos desses produtos inovadores estão recebendo feedback positivo e estão sendo adotados na dieta diária de muitos consumidores. Portanto, as proteínas vegetais estão se tornando populares”, conta ela.

Os consumidores querem adotar dietas mais saudáveis e variadas, incluindo mais produtos à base de plantas. “O sabor é o rei e os desenvolvedores de produtos estão melhorando o sabor e a textura o tempo todo. O fator ‘sentir-se bem’ também tem o seu papel. Se você pode comer algo saboroso e também ajudar o meio ambiente, isso é bom”, explica Leveille.

A inovação constante nos últimos anos levou a opções alternativas de laticínios e carnes com perfis organolépticos muito mais atraentes em comparação com produtos de apenas alguns anos atrás, segundo Leveille. "Esses produtos se tornaram mais saborosos e isso é resultado de cientistas de alimentos encontrarem maneiras de integrar vários novos ingredientes para dar vida a esse sabor e textura", diz ela. O próximo passo é melhorar as credenciais de etiqueta limpa de cada produto; os consumidores querem produtos indulgentes, mas ainda querem um rótulo limpo.

Avanços na mudança

Os avanços na mudança em ingredientes de origem vegetal envolvem a qualidade nutricional dos ingredientes proteicos para corresponderem à qualidade da proteína animal, observa Leveille. “Além da soja, a maioria das proteínas vegetais é deficiente em aminoácidos essenciais. Você pode combinar proteínas vegetais para aumentar a qualidade das proteínas”.

Um dos desafios da proteína vegetal pode ser a falta de notas de sabor, a textura áspera e o mouthfeel. As tecnologias de mascaramento de sabores e a inovação nas técnicas de processamento são outras áreas de avanço que melhoram o sabor e reduzem a fragilidade das proteínas nas aplicações de F&B”, diz ela.

Enquanto isso, as bebidas funcionais à base de proteínas vegetais são uma importante área de crescimento no mercado global de bebidas, que deverá ultrapassar US$ 1 trilhão em valor até 2022, segundo Leveille. Um relatório de pesquisa da Kerry, chamado "Desbloqueando o poder das proteínas nas bebidas", explica que esta é uma nova área de crescimento. "As possibilidades de produtos no mercado de bebidas proteicas são ilimitadas", diz Leveille. Os exemplos de produtos que agora são possíveis para proteínas vegetais incluem água, bebidas geladas de café ou smoothies.

Os produtos que combinam proteínas complementares à base de animais e vegetais são ideais para atingir consumidores flexitarianos, que é a categoria de consumidores que está impulsionando o crescimento do mercado de plantas”, comenta. “Por esse motivo, é vital que os produtos à base de plantas correspondam aos seus produtos comparáveis de carne e laticínios para permanecerem atraentes para essa categoria de consumidores. Estamos chegando a esse ponto agora, como você pode ver com o sucesso de hambúrgueres, salsichas e bebidas à base de plantas. No entanto, ainda há espaço para inovação para melhorar o sabor e a textura com rotulagem limpa”, sinaliza Leveille. "As atitudes e desejos dos consumidores mudaram dramaticamente em direção às proteínas vegetais".

As variadas qualidades nutricionais dos produtos à base de plantas

Muitas bebidas à base de plantas, como o leite de amêndoa, têm baixo teor de proteínas e isso se tornará uma questão importante, pois as preocupações dos consumidores mudam das preocupações com o sabor para a qualidade da nutrição, diz Leveille. “A qualidade proteica abaixo do padrão pode ser uma preocupação de qualidade daqui para frente, e as bebidas proteicas com conteúdo completo de proteínas terão uma vantagem sobre outras proteínas vegetais. Os leites vegetais, como a amêndoa, podem ser fortificados com a adição de outras proteínas vegetais, como a ervilha. Este é o próximo estágio de desenvolvimento”, destaca.

A proteína vegetal tem o mesmo desafio nutricional nos alimentos, mas isso é mais facilmente superado com a adição de nozes e outras proteínas complementares aos ingredientes do produto. Isso também pode exigir a adição de outros ingredientes, como sabores, para melhorar o gosto. Uma solução muito mais fácil é usar um ingrediente de proteína vegetal que já é uma proteína completa, incluindo todos os aminoácidos essenciais”, afirma Leveille.

Além disso, os alimentos à base de plantas provavelmente estarão sob crescente análise e pressão competitiva das fontes tradicionais de alimentos e umas das outras, diz Leveille. "Os diferenciadores competitivos emergentes parecem ser sabor, nutrição, qualidade das proteínas e rótulo limpo. As proteínas vegetais precisarão melhorar significativamente a qualidade das proteínas e isso se tornará um diferencial importante quando a qualidade do sabor estiver muito mais próxima. Os produtos de proteínas vegetais também precisarão desenvolver uma lista de ingredientes mais curta e mais limpa”.

Outro aspecto importante será o preço entre as proteínas tradicionais existentes e as novas proteínas vegetais, à medida que mais concorrência começará entre ingredientes e também entre muitos produtos diferentes para o usuário final, como hambúrgueres e bebidas. “Novas pressões adicionais sobre os preços continuarão a surgir e isso terá um impacto contínuo no mercado de ingredientes de proteínas vegetais. O vencedor final será o consumidor que terá produtos de proteína vegetal mais nutritivos, saborosos e limpos".

Com a população global projetada para chegar a nove bilhões no final da década de 2030 e com a crescente renda dos consumidores em muitos países emergentes nas últimas décadas, a demanda por proteína láctea de qualidade deve continuar a crescer, afirma Leveille. "As proteínas vegetais provavelmente continuarão a ter uma participação crescente no mercado global de proteínas, mas com mais dois bilhões de bocas para alimentar entre agora e o final da década de 2030, há muito espaço de mercado para proteínas vegetais e animais".

Enquanto isso, espera-se que a necessidade de suprimentos adicionais de laticínios e proteínas vegetais produzidos de forma sustentável continue a aumentar nos próximos anos e décadas, a fim de alimentar o apetite dos consumidores em todo o mundo por produtos proteicos de F&B de qualidade, conclui Leveille.




Galeria de Imagens:



Envie uma notícia



Telefone:

11 5524-6931       11 99834-5079

Newsletter:

Fique conectado:

© EDITORA INSUMOS LTDA.

Av. Sargento Geraldo Santana,
567 – 1º andar
CEP 04674-225
São Paulo, SP - Brasil

001