MENU
Participe agora mesmo
Votações
COTAÇÃO DE INGREDIENTES
GUIA DE FORNECEDORES
CADASTRE SUA EMPRESA - CLIQUE AQUI


Voltar

Atividade Esportiva


02/05/2019
Benefícios multifuncionais das proteínas do soro do leite
As proteínas do soro do leite, também conhecidas como whey protein, são produzidas a partir do soro de leite, subproduto do processo de fabricação do queijo. Possuem alto valor nutricional, contendo alto teor de aminoácidos essenciais, especialmente os de cadeia ramificada. Também apresentam alto teor de cálcio e peptídeos bioativos. Estudos demonstram sua grande aplicabilidade no esporte, com possíveis efeitos sobre a síntese proteica muscular esquelética, redução da gordura corporal e melhora do desempenho físico, mas também os compostos bioativos do soro apresentam outros benefícios para a saúde humana além daqueles já bem conhecidos como a melhora na saúde mental e bem-estar. Entre esses possíveis benefícios destacam-se:Melhora do desempenho físico na atividade esportivaEstudos sugerem que o estresse oxidativo, produzido durante a atividade física, contribui para o desenvolvimento da fadiga muscular, diminuindo o desempenho. Lands et al. compararam o efeito de um suplemento a base de proteínas concentradas do soro (WPC – Whey Protein Concentrate) e da caseína (placebo) sobre o desempenho físico de adultos jovens, medido por meio de teste de desempenho em bicicletas. Administrando 20g/dia de WPC durante três meses, o grupo suplementado com WPC conseguiu gerar mais potência e maior quantidade de trabalho em testes de velocidade. O provável efeito estaria relacionado ao alto teor de cisteína das proteínas do WPC, o que resultaria em redução da disfunção muscular causada pelos agentes oxidantes. Esse trabalho relaciona os efeitos das proteínas do soro aos parâmetros diretos do desempenho físico. Efeitos sobre o anabolismo muscular e benefícios na sarcopeniaSarcopenia: A diminuição da massa muscular esquelética pode estar associada a idade e a inatividade física.Sarcopenia é definida como: “Perda progressiva de massa e força na musculatura esquelética com o envelhecimento com decorrente redução força muscular”. Sabe-se que a manutenção ou o ganho de massa muscular, principalmente em pessoas idosas, contribui para uma melhor qualidade e prolongamento da vida. Exercícios físicos, principalmente os resistidos com pesos, são de extrema importância para impedir a atrofia e favorecer o processo de hipertrofia muscular, melhorando a qualidade de vida dos indivíduos. Aporte proteico: A nutrição exerce papel fundamental no processo de anabolismo muscular, pessoas fisicamente ativas e atletas necessitam de maior aporte proteico que as estabelecidas para indivíduos sedentários. Segundo Lemon, pessoas envolvidas em treinos de resistência necessitam de 1,2 a 1,4g de proteína por quilograma de peso ao dia, enquanto que atletas de força, 1,6 a 1,7g. por kg- de peso/dia, bem superior aos 0,8-1,0g. por kg- de peso/dia, estabelecidos para indivíduos sedentários. Esmarck et al. avaliaram o efeito da suplementação proteica (10g de proteínas provenientes do leite e da soja) em um grupo de 13 idosos, submetidos a programa de treinos resistidos com pesos, por 12 semanas. AHa & Zamel destacam que o perfil de aminoácidos das proteínas do soro é muito similar ao das proteínas do músculo esquelético, fornecendo quase todos os aminoácidos em proporção similar as do mesmo, classificando-as como um efetivo suplemento anabólico. Estudos demonstram o significante ganho de massa muscular em adultos jovens suplementados com as proteínas do soro e submetidos a um programa de exercícios com pesos, quando comparado a um grupo não suplementado, confirmando o efeito das proteínas do soro sobre o ganho de massa muscular.Velocidade de absorção: Avaliando o ganho de força a hipertrofia muscular observaram que o grupo que recebeu suplementação, logo após a realização da sessão de exercícios, apresentou um ganho significantemente maior de força e de hipertrofia muscular, quando comparado com o grupo que recebeu a suplementação proteica apenas 2 horas após a realização dos exercícios. Desta forma, a ingestão de proteína ou aminoácidos, após a prática de exercícios físicos, favoreceria a recuperação e a síntese proteica muscular e, quanto menor o intervalo entre o término do exercício e a ingestão proteica, melhor é a resposta anabólica ao exercício. O perfil de aminoácidos das proteínas do soro, com destaque para a leucina, contribuem para favorecer o anabolismo muscular. O conceito de proteínas com diferentes velocidades de absorção tem sido, recentemente, utilizado por profissionais e cientistas que trabalham com desempenho físico e na prevenção ou redução da sarcopenia que é a perda progressiva ou redução da massa e força esquelética com o envelhecimento.Estudos demonstram que as proteínas do soro são absorvidas mais rapidamente que outras, como a caseína, por exemplo. Esta rápida absorção faz com que as concentrações plasmáticas de muitos aminoácidos, inclusive a leucina, atinjam altos valores logo após a sua ingestão. Resumindo, seus benefícios sobre o ganho de massa muscular estão relacionados ao perfil de aminoácidos, principalmente da leucina (um importante desencadeador da síntese proteica), a rápida absorção intestinal de seus aminoácidos e peptídeos. Redução de gordura corporal O excesso de gordura corporal é considerado um problema de saúde pública há muitos anos. Estudos populacionais vêm mostrando que o excesso de peso é fator de risco para o aparecimento de doenças crônicas como hipertensão, doenças coronárias e diabetes, por exemplo. Atletas e pessoas fisicamente ativas procuram manter um percentual baixo de gordura corporal, seja com o objetivo de melhorar o desempenho físico ou apenas para o bem estar físico e mental. Vários trabalhos têm mostrado que as proteínas do soro favorecem o processo de redução da gordura corporal, por meio de mecanismos associados ao cálcio, e por apresentar altas concentrações de BCAA (aminoácidos de cadeia ramificada: leucina, isoleucina e valina). As proteínas do soro são ricas em cálcio (aproximadamente 600mg/100g). Efeitos do cálcio: Diversos estudos têm verificado uma relação inversa entre a ingestão de cálcio, proveniente do leite e seus derivados, e a gordura corporal, Zemel. As proteínas do soro poderiam oferecer uma vantagem sobre o leite como fonte de cálcio, em pessoas intolerantes à lactose, uma vez que grande parte dos suplementos à base de proteínas do soro é praticamente isenta de lactose, e pelo fato de essa proteína apresentar percentual de gordura menor que 2%.Efeitos BCAA:Além do efeito do cálcio sobre a gordura corporal, estudos mostram que o alto teor de BCAA das proteínas do soro afeta os processos metabólicos da regulação energética, favorecendo o controle e a redução da gordura corporal. Dietas com maior relação proteína/carboidratos são mais eficientes para o controle da glicemia e da insulina pós-prandial, favorecendo, dessa forma, a redução da gordura corporal e a preservação da massa muscular durante a perda de peso. Além disso, pelo fato de a leucina atuar nos processos de síntese proteica, altas concentrações desse aminoácido favorecem a manutenção da massa muscular durante a perda de peso Layman et al.Saúde cerebral e bem-estarNos últimos anos, pesquisadores têm estudado os efeitos da alimentação e dos nutrientes sobre alterações do humor. O foco dessas pesquisas tem sido avaliar os efeitos da serotonina, um neurotransmissor produzido pelo cérebro que está diretamente relacionado as alterações de humor e ao estresse. Sob condições de estresse crônico, a produção exacerbada de serotonina pode resultar em depleção da mesma, via redução do triptofano, seu precursor, causando diminuição da sua atividade e, como consequência, alterações de humor e aparecimento da depressão. A disponibilidade de triptofano na corrente sanguínea pode facilitar sua captação pelo cérebro e, dessa forma, favorecer a produção de serotonina. Diversas estratégias nutricionais têm sido investigadas com esse intuito. Entre essas, Markus et al. observaram o efeito do triptofano em pacientes submetidos ao estresse.A administração de uma dieta enriquecida com triptofano em comparação a uma dieta placebo, composta de caseína, estimularia a produção de serotonina, melhora do humor e redução da depressão dos sujeitos deste estudo, de forma significativa.Linha de proteína de soro de leite *Ana Lúcia Barbosa Quiroga é Gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Vogler Ingredients.Vogler Ingredients Ltda.Tel.: (11) 4393-4400 vogler.com.br

Leia Mais
02/05/2019
Combinação de proteína isolada de soja com protéinas lácteas para a otimização do ganho muscular
A DuPont Nutrition & Health é fornecedora líder de ingredientes de proteína de soja de alta qualidade e está comprometida em apoiar a ciência por trás dos muitos benefícios dessa proteína vegetal, sustentável e econômica. Trabalha há mais de 50 anos com os melhores pesquisadores ao redor do mundo, para provar cientificamente a alta qualidade de suas proteínas isoladas de soja SUPRO® e seus inúmeros benefícios à saúde. Hoje, existem centenas de estudos publicados que usaram as proteínas de soja SUPRO®, parte da família de ingredientes DuPont™ Danisco®. Esses estudos podem ser utilizados para orientar as indústrias de alimentos no desenvolvimento e posicionamento nutricional de seus alimentos e bebidas.Proteínas de alta qualidade para o crescimento muscularTanto a manutenção quanto o crescimento do tecido muscular, acontecem quando a síntese proteica muscular é maior que sua degradação. Em qualquer treino de força ou resistência, éimportante ter uma nutrição adequada para promover ganho muscular e garantir sua preservação1. Proteínas de alta qualidade e os aminoácidos de cadeia ramificada (BCAAs), são componentes nutricionais necessários para promover crescimento muscular.A qualidade das proteínas lácteas e o seu papel na saúde muscular já está bem definida e consolidada na literatura científica. Entretanto, muitos mitos ainda persistem em relação a proteína de soja. Estudo publicado no Journal of Agricultural and Food Chemistry2 avaliou o PDCAAS de quatro diferentes ingredientes de soja processada, incluindo três proteínas de soja isoladas e uma proteína concentrada de soja. Proteínas isoladas de soja SUPRO® atingiram um valor PDCAAS de 1,00 ou 100 por cento, que é o valor mais alto possível de ser alcançado, assim como a caseína e a albumina. Essa informação confirma que a proteína isolada de soja fornece quantidade adequada de todos os aminoácidos essenciais nas quantidades apropriadas para todas as faixas etárias. A proteína de soja é a única proteína de origem vegetal que é bem digerida e fornece todos os aminoácidos essenciais em quantidades apropriadas para ajudar no crescimento e reparação de tecidos, tanto para crianças quanto para adultos. Mistura de proteínas de soja e lácteas para otimizar ganho muscularEstudos comparativos entre proteína isolada de soja e proteína do soro de leite mostraram aumentos similares em massa muscular quando fornecidos como suplementos após exercícios de resistência. Muitos suplementos de nutrição esportiva fornecem principalmente proteína do soro de leite porque ela é de digestão rápida e pode fornecer BCAAs rapidamente; entretanto, esse suprimento diminui rapidamente3.A ideia de misturar proteínas de soja e lácteas, proposta pela primeira vez por Paul e colaboradores4, explorava os benefícios potenciais de combinar diferentes fontes de proteína para apoiar a recuperação muscular (Figura 1). Proteína Isolada de Soja (PIS), uma proteína que é digerida numa taxa intermediária, pode ser combinada com a proteína do soro do leite (PSL) que apresenta rápida digestão, e caseína de digestão lenta, para manter um fornecimento fixo e prolongado de aminoácidos para os músculos a fim de promover um crescimento muscular significativo4.Além disso, análises sensoriais têm demonstrado que os consumidores preferem o sabor das bebidas ricas em proteínas feitas com misturas de proteínas de soja e lácteas comparadas a bebidas feitas totalmente de proteínas lácteas.Estudos clínicos avaliando misturas de PIS e proteínas lácteas mostram um efeito potencialmente único de prolongar o fornecimento de aminoácidos para os músculos, e mostram crescimento muscular adicional durante treino de resistência. Isso foi investigado pela primeira vez num estudo pré-clínico que testou diferentes misturas de proteínas de alta qualidade e fontes de proteína isoladas em um modelo animal, comparando as mudanças nas taxas de síntese fracionada de proteína muscular. Tanto fontes únicas de proteínas quanto misturas de proteínas de soja e lácteas aumentam a síntese de proteínas musculares (SPM); entretanto, somente a mistura de PIS e lácteas prolongou a o tempo que a SPM permaneceu ativada ativada.FIGURA 1 - JUSTIFICATIVA PARA MISTURAR PROTEÍNAS DE ALTA QUALIDADE A FIM DE OTIMIZAR GANHO MUSCULARAdaptado de Paul e col. J Am Coll Nutr. 20094Estudos clínicos em humanos confirmam os benefícios da mistura de proteína isolada de soja e proteínas lácteas na otimização do ganho muscularA DuPont colaborou com pesquisadores de ponta da área da fisiologia e nutrição da Universidade do Texas para conduzir uma série de estudos clínicos observando o efeito de várias fontes de proteína e misturas proteicas na saúde muscular. O primeiro estudo investigou se a ingestão de uma mistura proteica com 25% de proteína isolada de soja SUPRO®, 25% de proteína do soro do leite e 50% de caseína, com taxas de digestão diferentes, poderia estender a síntese proteica muscular quando comparada a apenas a ingestão da PSL em indivíduos jovens saudáveis com média de idade de 23 anos5. Os participantes do estudo consumiram um suplemento proteico (seja a mistura proteica ou somente a PSL, contendo um total de 1,9 gramas de leucina das fontes proteicas) uma hora depois de completar uma sessão de resistência de extensão de pernas.Os pesquisadores descobriram que a mistura proteica aumentou o fornecimento de aminoácidos até quatro horas depois do consumo quando comparado a apenas a PSL. Aminoácidos da PSL atingiram o máximo de fornecimento nos primeiros 30 minutos após o consumo e então diminuíram abaixo do nível fornecido pela mistura de proteínas soja-láctea. Ambos os grupos apresentaram taxas de síntese fracionada de proteínas muscular (TSFM) duas horas após consumir os suplementos proteicos, mas apenas a mistura proteica (soja-lácteas) continuou a mostrar uma TSFM elevada quatro horas após a suplementação, sugerindo que a mistura proteica pode aumentar a janela anabólica aumentando tanto a recuperação quanto promovendo o crescimento muscular 6 (Figura 6).FIGURA 2 - JANELA ANABÓLICA MUSCULAR É PROLONGADA COM MISTURA DE PROTEÍNAS DE SOJA E LÁCTEAS QUANDO CONSUMIDA APÓS EXERCÍCIOAdaptado de Reidy e col. J Appl Physiol, 2014 6Para avaliar o impacto da suplementação proteica após exercício de resistência por um longo período de tempo, Reidy e colaboradores conduziram um estudo de três meses em homens, com média de idade de 25 anos, para avaliar se um suplemento diário com 22 gramas de proteína, seja da mistura proteica (25% proteína isolada de soja SUPRO®, 25% proteína do soro do leite e 50% caseína) ou apenas proteína do soro do leite, fornecia alguma vantagem para força e crescimento muscular comparado a um suplemento de carboidrato caloricamente similar (22g de maltodextrina)7. Para esse tipo de treinamento de resistência, esperava-se que todos os indivíduos ganhariam aproximadamente 1,5 kg de massa magra em 12 semanas. Embora todos os grupos tenham mostrado ganho na massa magra, o grupo que consumiu a mistura de proteínas soja-láctea teve o maior ganho muscular. O grupo controle (maltodextrina) ganhou cerca de 2 kg de massa magra, o grupo que ingeriu apenas PSL ganhou cerca de 2,3 kg, enquanto o grupo que ingeriu a mistura proteica soja-láctea ganhou 2,9 kg. De maneira interessante, a maior parte do ganho de massa magra do grupo PSL e do grupo controle ocorreu durante as primeiras seis semanas de treinamento. Durante as últimas seis semanas do estudo, o grupo que recebeu a mistura proteica soja-láctea ganhou duas vezes mais massa magra (1,0 kg vs. 0,5 kg grupo controle e PSL). Níveis de testosterona sérica não diferiram entre os três grupos no início, seis semanas ou 12 semanas de estudo.A proteína isolada de soja SUPRO®, é eficaz para o crescimento muscular após treino de resistência tanto em estudos transversais quanto longitudinais. A ingestão da mistura de proteínas de soja e lácteas é uma estratégica nutricional benéfica para a manutenção e ganho de massa muscular durante exercício de resistência. Essa mistura proteica também pode ajudar a promover o funcionamento muscular durante o envelhecimento, o que pode ser uma estratégia para reduzir a incapacidadeassociada à sarcopenia8. Referências1- Thomas, D.T., et al., American College of Sports Medicine Joint Position Statement. Nutrition and Athletic Performance. Med Sci Sports Exerc, 2016. 48(3): p. 543–568.2- Hughes, G.J., et al., Protein Digestibility-Corrected Amino Acid Scores (PDCAAS) for Soy Protein Isolates and Concentrate: Criteria for Evaluation. Journal of Agricultural and Food Chemistry, 2011. 59(23): p. 12707-12712.3- Tipton, K.D., et al., Ingestion of casein and whey proteins result in muscle anabolism after resistance exercise. Med Sci Sports Exerc, 2004. 36(12): p. 2073-81.4- Paul, G.L., The rationale for consuming protein blends in sports nutrition. J Am Coll Nutr, 2009. 28 Suppl: p. 464S-472S.5- Reidy, P.T., et al., Protein blend ingestion following resistance exercise promotes human muscle protein synthesis. J Nutr, 2013. 143(4): p. 410-6.6- Reidy, P.T., et al., Soy-Dairy Protein Blend and Whey Protein Ingestion After Resistance Exercise Increases Amino Acid Transport and Transporter Expression in Human Skeletal Muscle. J Appl Physiol, 2014.7- Reidy, P.T., et al., Protein Supplementation Has Minimal Effects on Muscle Adaptations during Resistance Exercise Training in Young Men: A Double-Blind Randomized Clinical Trial. J Nutr, 2016. 146(9): p. 1660-9.8- Borack, M.S., et al., Soy-dairy protein blend or whey protein isolate ingestion induces similar postexercise muscle mechanistic target of rapamycin complex 1 signaling and protein synthesis responses in older men. J. Nutr. 2016. 146(12):2468-2475. DuPont Nutrição & SaúdeTel.: (11) 4166-8311food.dupont.com

Leia Mais
02/05/2019
L-Arginina e exercícios físicos: caminhos para suplementação
A L-arginina [(2S)-2-amino-5-(diaminomethylideneamino) pentanoic acid ou (S)-2-Amino-5-guanidinopentanoic acid (Figura 1) é um aminoácido produzido no organismo para exercer determinadas funções importantes, que estão relacionadas ao controle da pressão arterial, melhora no sistema imune e resistência durante as atividades físicas (McRae, 2016).FIGURA 1 - ESTRUTURA QUÍMICA DA L-ARGININA EM 2D Fonte: https://pubchem.ncbi.nlm.nih.gov/compound/L-argini...=2D-StructurePor ser sintetizada no organismo, a L-arginina era classificada como um aminoácido não essencial (Rose, 1937). Sua classificação como um aminoácido semi essencial ou condicional se deu na década de 70, quando o grupo liderado pelo cientista Barbul (Baltimore, Maryland) verificou que os caminhos metabólicos deste aminoácido poderiam ter um potencial efeito terapêutico, principalmente em algumas situações especiais, como hipertensão, infecções bacterianas ou aumento de processos oxidativos (Barbul, 1986; McRae, 2016). Na década de 80, pesquisadores verificaram que a L-arginina é o principal aminoácido precursor de óxido nítrico (NO) (Palmer, Ashton, & Moncada, 1988). Consequentemente, na década de 90, avaliaram o papel do NO sobre a inflamação e imunidade (Albina & Reichner, 1995). Os estudos com a L-arginina continuaram e diversas hipóteses surgiram, relatando que este é um aminoácido que possui diversos caminhos metabólicos importantes, além dos supracitados, que estão diretamente ligados à síntese protéica e produção de compostos bioativos como o próprio óxido nítrico (NO), creatina, poliaminas, agmativa, prolina, e participa do metabolismo do glutamato e do ciclo da ureia (Figura 2) (Morris, 2007). FIGURA 2 - PRINCIPAIS FUNÇÕES DA L-ARGININA NO ORGANISMO HUMANOOs processos que envolvem a L-arginina ocorrem de acordo com o tipo de célula, idade, estágio de desenvolvimento, dieta, estado de saúde ou doença e, por esses motivos, ainda há questionamentos sobre seu real metabolismo e funções (Morris, 2007).A síntese endógena de L-arginina ocorre a partir da citrulina, pela expressão das enzimas argininosuccinato sintetase (AAS) ou argininosuccinato liase (ASL) (Morris, 2007). Já a L-arginina ingerida através da dieta é degradada no trato gastrintestinal e fígado pela ação da arginase, enzima pela qual pode ser inibida pela citrulina. Então, supõe-se que a ingestão de citrulina possa proteger a L-arginina da degradação e manter os seus níveis circulantes. Consequentemente, L-arginina se converte em NO e citrulina pela ação da NOS (óxido nítrico sintase), o que fecha o chamado “Ciclo Citrulina-Arginina”, mantando a efetividade da produção de NO no organismo (Suzuki et al., 2019).O NO é uma das principais substâncias presentes no endotélio vascular responsável pelo relaxamento muscular e redução da pressão sanguínea (McRae, 2016).Isto implica que, se este aminoácido está disponível, ele também pode contribuir para o aumento da produção de NO. Portanto, se há uma depleção de L-arginina na corrente sanguínea ou aumento da expressão de arginase, consequentemente ocorre a inibição da expressão de NOS e redução da concentração de NO, o que pode prejudicar diversos processos, principalmente o que envolve a dilatação dos vasos (Morris, 2007).No caso de exercícios físicos dinâmicos, o fluxo sanguíneo, a temperatura e a transpiração aumentam. Portanto, sugere-se que o NO, produzido a partir da NOS endotelial, possa ser um dos principais responsáveis pela dilatação reflexa cutânea e também contribua para o aumento da temperatura corporal. Esta dilatação faz com que o fluxo de sangue e oxigênio aumente nos músculos, o que é benéfico para a prática de exercícios físicos (McNamara, Keen, Simmons, Alexander, & Wong, 2014).Os principais questionamentos estão relacionados à biodisponibilidade da L-arginina, já que, quando administrada por via oral, é extensivamente metabolizada pelo intestino e fígado (van de Poll et al., 2007).O estudo realizado por Suzuki et al. (2019) demonstrou que houve uma maior efetividade e melhora na performance e no esforço físico de jogadores de futebol que ingeriram citrulina (1.2 g/d) e L-arginina (1.2 g/d) durante 7 dias. No entanto, vale ressaltar que a citrulina não está presente na lista positiva publicada pela Anvisa e não é permitida para uso em suplementos alimentares industrializados (Brasil, 2018).Os exercícios físicos de média e alta intensidade podem gerar situações de stress e decaimento da concentração de diversos aminoácidos, incluindo a L-arginina (por este motivo, ela pode ser considerada um aminoácido condicional). Dentro deste cenário, podem ocorrer danos celulares (e no DNA) provocados, principalmente, pela formação de radicais livres. Para avaliar o efeito da L-arginina sobre a atividade física, Stefani et al. (2018) administraram 500 mg/Kg/dia do aminoácido diluído em água (1 mL de solução), pois estudos anteriores verificaram que esta concentração foi adequada para elevar os níveis séricos de NO em até 25% em ratos. Os autores constataram que a suplementação de L-arginina associada ao treino resistido promoveu benefícios biométricos, cardiovasculares e hormonais e reforçam que a suplementação com arginina pode reduzir danos oxidativos durante o exercício.Por conta dos danos oxidativos, a L-arginina também é utilizada pelo sistema imune, já que o NO pode servir como um potente antioxidante, pois reduz consideravelmente os níveis de radicais superóxido e hidroxil, que são formados durante o stress oxidativo. Esses fatos fazem com que este aminoácido ajude na prevenção de infecções, principalmente em condições especiais como cirurgias, doenças crônicas ou mesmo em exercícios de alta intensidade, podendo reduzir os danos provocados no DNA de leucócitos (Stefani et al., 2018). Outra informação importante sobre a atividade da L-arginina no organismo está relacionada à produção de creatina, junto com os aminoácidos metionina e glicina. A creatina é utilizada pelos músculos para o aumento da potência de transformação de ADP em ATP através da elevação da disponibilidade de fosfocreatina durante a recuperação do exercício, fato que melhora a performance (Cribb & Hayes, 2006).Com relação à suplementação, pode-se verificar no mercado que os aminoácidos, em geral, podem ser obtidos por hidrólise proteica, síntese química ou microbiológica. A maior parte da L-arginina, especificamente, é produzida pelo método de fermentação direta a partir de fontes naturais de carbono, como o amido presente tapioca e milho e amônia como fonte de nitrogênio. Uma das principais bactérias utilizadas no processo fermentativo é a Corynebacterium (Brevibacterium), que produz inicialmente o L-glutamato, principal precursor metabólico de L-arginina.Após a completa fermentação, os micro-organismos são separados por centrifugação ou membrana de filtração. O sobrenadante ou filtrado é separado em ácidos orgânicos e outros aminoácidos e purificados por diversos processos até a obtenção de cristais puros de L-arginina (Utagawa, 2004). Os cristais de L-arginina são utilizados em suplementos alimentares e estão disponíveis no mercado como aminoácido livre, mas também na forma de sais sintéticos, como aspartato ou cloridrato de arginina. No Brasil, a nova regulamentação, publicada em 2018, estabelece o limite máximo de 3.810 mg para uso em suplementos alimentares (Brasil, 2018). No entanto, vale ressaltar que, em condições de infecções ou stress oxidativo intenso, quantidades maiores podem ser administradas, mas sempre com prescrição e orientação médica. Dados observaram que doses únicas de 3.000-6.000 mg raramente provocam efeitos adversos em atletas, mas doses agudas acima de 9.000 mg podem provocar efeitos gastrintestinais, como náuseas, vômito e diarreia (Grimble, 2007). Sugere-se que suplementos contendo L-arginina podem ser potenciais aliados para o aumento pela dilatação endotelial, o que melhora o fluxo sanguíneo e de oxigênio nos músculos, proteção do sistema imune de atletas e melhora na performance (pela produção de creatina).Porém, estimula-se a realização de mais pesquisas clínicas para melhor comprovação da sua eficácia. ReferênciasAlbina, J. E., & Reichner, J. S. (1995). Nitric oxide in inflammation and immunity. New Horizons (Baltimore, Md.), 3(1), 46–64. Retrieved from http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7535649Barbul, A. (1986). Arginine: Biochemistry, Physiology, and Therapeutic Implications. Journal of Parenteral and Enteral Nutrition, 10(2), 227–238. https://doi.org/10.1177/0148607186010002227Brasil. ANVISA - INSTRUÇÃO NORMATIVA - IN N° 28, DE 26 DE JULHO DE 2018 - Estabelece as listas de constituintes, de limites de uso, de alegações e de rotulagem complementar dos suplementos alimentares. (2018). Brasil.Cribb, P. J., & Hayes, A. (2006). Effects of Supplement Timing and Resistance Exercise on Skeletal Muscle Hypertrophy. Medicine & Science in Sports & Exercise, 38(11), 1918–1925. https://doi.org/10.1249/01.mss.0000233790.08788.3eGrimble, G. K. (2007). Adverse Gastrointestinal Effects of Arginine and Related Amino Acids. The Journal of Nutrition, 137(6), 1693S–1701S. https://doi.org/10.1093/jn/137.6.1693SMcNamara, T. C., Keen, J. T., Simmons, G. H., Alexander, L. M., & Wong, B. J. (2014). Endothelial nitric oxide synthase mediates the nitric oxide component of reflex cutaneous vasodilatation during dynamic exercise in humans. The Journal of Physiology, 592(23), 5317–5326. https://doi.org/10.1113/jphysiol.2014.272898McRae, M. P. (2016). Therapeutic Benefits of l-Arginine: An Umbrella Review of Meta-analyses. Journal of Chiropractic Medicine, 15(3), 184–189. https://doi.org/10.1016/j.jcm.2016.06.002Morris, S. M. (2007). Arginine Metabolism: Boundaries of Our Knowledge. The Journal of Nutrition, 137(6), 1602S–1609S. https://doi.org/10.1093/jn/137.6.1602SPalmer, R. M. J., Ashton, D. S., & Moncada, S. (1988). Vascular endothelial cells synthesize nitric oxide from L-arginine. Nature, 333(6174), 664–666. https://doi.org/10.1038/333664a0Rose, W. C. (1937). THE NUTRITIVE SIGNIFICANCE OF THE AMINO ACIDS AND CERTAIN RELATED COMPOUNDS. Science, 86(2231), 298–300. https://doi.org/10.1126/science.86.2231.298Stefani, G. P., Marmett, B., Alves, J. P., Möller, G. B., Heck, T. G., Frizzo, M. N., … Rhoden, C. R. (2018). Resistance training and L-arginine supplementation are determinant in genomic stability, cardiac contractility and muscle mass development in rats. PLOS ONE, 13(9), e0204858. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0204858Suzuki, I., Sakuraba, K., Horiike, T., Kishi, T., Yabe, J., Suzuki, T., … Suzuki, Y. (2019). A combination of oral l-citrulline and l-arginine improved 10-min full-power cycling test performance in male collegiate soccer players: a randomized crossover trial. European Journal of Applied Physiology, 119(5), 1075–1084. https://doi.org/10.1007/s00421-019-04097-7Utagawa, T. (2004). Production of Arginine by Fermentation. The Journal of Nutrition, 134(10), 2854S–2857S. https://doi.org/10.1093/jn/134.10.2854Svan de Poll, M. C., Siroen, M. P., van Leeuwen, P. A., Soeters, P. B., Melis, G. C., Boelens, P. G., … Dejong, C. H. (2007). Interorgan amino acid exchange in humans: consequences for arginine and citrulline metabolism. The American Journal of Clinical Nutrition, 85(1), 167–172. https://doi.org/10.1093/ajcn/85.1.167*Hellen Dea Barros Maluly é consultora científica da Ajinomoto.Ajinomoto do Brasil Indústria e Comércio de Alimentos Ltda.Tel.: (11) 5908-8761 aminoscience

Leia Mais
02/05/2019
Nutrição esportiva & bem-estar com ingredientes naturais
A nutrição esportiva é uma especialidade que cresce continuamente no Brasil. Cada vez mais, não só atletas de alto rendimento, como também praticantes de atividade física, de diferentes níveis de performance e frequência, descobrem o quanto ela pode trazer de benefícios ao seu desempenho e à sua saúde. Isso torna o mercado de nutrição esportiva uma área de extrema valorização e procura, abrangendo as categorias de bem-estar, perda de peso e beleza.O mercado brasileiro de nutrição esportiva vem ganhando cada vez mais players e diversificação em produtos, segundo relatório do Euromonitor International, no segmento esportivo, os produtos à base de proteína são os campeões de venda, com 65%. Em seguida vêm os aminoácidos e energéticos com 15% cada um; e hipercalóricos com 5%.Ingredientes naturais e funcionaisA Nexira oferece às indústrias de nutrição esportiva & bem-estar ingredientes naturais e funcionais, como destaque, apresentamos o ProthyTM, Guaraná e FibregumTM.Prothy R80TM para atletasProthyTM R80 é a proteína hidrolisada de arroz, possui 78% de proteínas, e 15% de BCAA’s, é uma fonte proteica hipoalergênica.Os BCAA’s (Branch Chain Amino Acids) são aminoácidos de cadeia ramificada compostos de três aminoácidos essenciais: isoleucina, leucina e valina, são muito importantes para os atletas porque auxiliam na recuperação de lesões musculares e na síntese proteica, recuperando e aumentando o músculo para o próximo treino.Perfil de aminoácidos da linha ProthyTM e da Proteína isolada de sojaOs aminoácidos essenciais são aqueles que não podem ser sintetizados pelo organismo humano, mas são necessários para seu bom funcionamento. Por isso, torna-se necessário ingeri-los por meio de uma alimentação rica em proteínas.As proteínas hidrolisadas possuem vantagens em relação às não hidrolisadas. Proteínas hidrolisadas aceleram de 25 a 50% a digestão de proteínas quando comparadas a proteínas não hidrolisadas e aumentam a disponibilidade de aminoácidos no plasma. O consumo de 35 gramas de proteína hidrolisada é 30% mais efetivo no estímulo de síntese de proteínas no músculo quando comparado ao consumo de proteínas não hidrolisadas num período maior que 6 horas. Por fim, proteínas hidrolisadas aumentam a capacidade de recuperação do músculo e aceleram a reparação de tecidos quando ingeridas após o exercício.ProthyTM R80 é a solução ideal para o crescimento de massa muscular pelas suas propriedades anabólicas e para a redução dos danos musculares pelas suas propriedades anti-catabólicas, que são extremamente importantes em todos os estágios da vida e durante as atividades físicas. Guaraná com cafeína naturalO Guaraná vêm sendo amplamente utilizado em alimentos, bebidas e suplementos como fonte natural de cafeína, especialmente em refrigerantes, energéticos e produtos para nutrição esportiva. O extrato de Guaraná da Nexira é derivado das sementes da fruta, devido ao seu alto teor de cafeína, ele é empregado como estimulante para a perda de peso, como melhorador de desempenho atlético, e para reduzir a fadiga física e mental. Ele é um pó fino, de cor alaranjada a marrom claro, nossas especificações variam de 1 a 22% de cafeína, ideal para a fortificação com apelo clean label, inclusive pode ser usado como corante natural. FibregumTM para o bem-estarA Nexira oferece o FibregumTM - fibra solúvel de acácia, uma fibra precursora de bem-estar, com muitos benefícios na saúde intestinal e imunológica.A saúde digestiva não é apenas a saúde intestinal. Cada vez mais os consumidores associam a saúde digestiva com a saúde como um todo e ao bem-estar geral.Existe uma forte ligação entre a saúde digestiva e a saúde imunológica. A barreira intestinal é um dos componentes mais importantes do sistema imunológico. Na verdade, 70% do sistema imunológico está localizado no trato digestivo. Seu principal papel é absorver nutrientes e servir como uma das barreiras mais importantes para o nosso organismo. A barreira intestinal nos protege de potenciais reações alérgicas, assim como ameaças microbiológicas e químicas.Diferentes condições, como infecções, trauma por queimaduras ou cirurgias, e o uso excessivo de medicamentos, são conhecidos por causar a Síndrome do Intestino Permeável. A inflamação e os danos causados no revestimento intestinal causam o rompimento das junções estreitas, resultando na absorção deficiente de nutrientes e na entrada de substâncias indesejadas na corrente sanguínea.A incidência de permeabilidade intestinal prejudicada e aumentada (síndrome do intestino permeável) é cada vez mais estudada devido ao seu envolvimento em muitas doenças, como a Síndrome do Intestino Irritável, Doença Inflamatória Intestinal e outras. A modulação da composição e da atividade da microbiota intestinal é considerada uma maneira de melhorar os a síndrome do intestino permeável e, assim, melhorar a saúde e o bem-estar geral.A Nexira realizou vários experimentos para entender completamente como a fibra de acácia fermenta no cólon. Esses experimentos confirmam que a fermentação do Fibregum ™ ajuda a melhorar a impermeabilidade do intestino, reforçando as junções estreitas, proporcionando efeito anti-inflamatório. FibregumTM é um ingrediente clean label: 100% natural, não possui nenhuma modificação química, enzimática ou genética, conta com certificação Kosher e Halal. Cuidadosamente selecionado de árvores de acácia, FibregumTM oferece garantia de 90% de fibra solúvel em base seca atestada pelo método AOAC 985.29.Fibregum™ pode ser incorporado em qualquer alimento ou bebida, pela sua excelente estabilidade às condições do processo (temperatura, pH, fermentação, cisalhamento...), além disso, respeita o tema clean label e todos os tipos de dietas (Low FODMAP, glúten free, lactose free, frutose free, baixa caloria e hipoalergênica).Fibregum ™ é a escolha perfeita de fibra prebiótica para produtos clean label visando a saúde intestinal e a melhoria da função imunológica.A Nexira oferece ingredientes naturais com o mais alto padrão de qualidade e pureza, atendendo à crescente busca das indústrias e de seus consumidores por produtos mais saudáveis e funcionais.Nexira Brasil Comercial Ltda.Tel.: (11) 3803-7373nexira.com

Leia Mais
02/05/2019
Um mercado promissor
Com faturamentos surpreendentes, o segmento de suplementação se mostra cada vez mais atrativo para o mercado nacional, despertando a atenção de grandes empresas para investir no ramo.PanoramaConhecidos e cada vez mais populares, os suplementos alimentares já fazem parte da rotina de muitos brasileiros praticantes de atividades físicas, e daqueles que apostam em um estilo de vida saudável, apoiando-se em produtos que complementam a alimentação e contribuem para a obtenção de resultados. Na contramão da economia brasileira, o mercado de nutrição esportiva, cada vez mais ativo, representa um dos segmentos que mais cresce no país, atingindo em 2018 números na ordem de R$ 2,2 bilhões - 12% maior em relação ao ano anterior. Para 2019, segundo dados da ABENUTRI, a expectativa é ainda maior, apostando em um crescimento próximo a 15%, indicando que vale a pena investir no setor. Mudam-se os hábitos, muda-se o mercadoEsse cenário é reflexo de um conjunto de fatores, principalmente associados às mudanças de hábito e de comportamento de uma parcela da população brasileira, que, mais preocupada com a saúde e o bem-estar, tende a optar por um estilo de vida saudável. Além disso, padrões de beleza impostos pela mídia, somados à insatisfação com a própria imagem, têm sido a motivação para que muitos iniciem algum tipo de atividade física, e recorram ao uso de suplementos alimentares para potencializar os resultados esperados. Dessa forma, observa-se que embora exista um consenso de que a atividade física promove a saúde, a preocupação com a estética ainda é um fator de extrema relevância para o aumento do número de adeptos às academias de ginástica, sendo este perfil mais evidente no público jovem, um dos principais consumidores deste segmento.Essa gradativa consciência que se desenvolve na população está atrelada aos meios de comunicação. A correta difusão do conhecimento e maior acesso à informação acerca dos benefícios proporcionados pela prática de atividade física não se restringem apenas a jornais, órgãos oficiais ou programas televisivos voltados à saúde. Com as mídias sociais e a atuação dos digital influencers, tem-se um aumento cada vez mais pronunciado no número de praticantes de exercícios físicos. Como consequência, a percepção do consumidor sobre os suplementos altera-se gradativamente. A antiga associação com os anabolizantes, hormônios que interferem na formação do músculo, fazia com que o mercado de nutrição esportiva fosse visto com desconfiança e preconceito. Atualmente, a população já enxerga o uso de suplementos alimentares como algo positivo e benéfico.Outro ponto importante diz respeito ao público-alvo. Foi-se o tempo em que os suplementos alimentares eram explorados apenas por oferecer algum tipo de vantagem competitiva, restringindo-se a fisiculturistas e atletas de alta performance. O mercado de nutrição esportiva é muito mais abrangente, atendendo não apenas àqueles que focam no ganho de massa muscular, mas também aos que almejam perda de peso, e, para tanto, apostam em conveniência e praticidade.Esta praticidade também está intimamente vinculada ao estilo de vida contemporâneo, no qual dedica-se menos tempo às refeições em casa, ou ao preparo da comida caseira, dependendo então, de estabelecimentos externos, como restaurante e cafeterias, valendo-se dos suplementos alimentares como um complemento à alimentação saudável. Portanto, seja como suplemento para performance, emagrecedores, para ganho de massa, ou apenas destinados a uma alimentação balanceada, o mercado de nutrição esportiva apresenta-se com grande potencial e inúmeras oportunidades para inovação.Um público autênticoDentre os principais tipos de suplementos, hiperproteicos, hipercalóricos, multivitamínicos, e de aminoácido, os suplementos proteicos são os mais populares, sendo o whey protein - a proteína proveniente do soro do leite - o mais consumido.A novidade neste panorama são as proteínas vegetais, que vêm ganhando destaque e popularidade no mercado devido ao gradativo investimento em pesquisas e à comprovação de seus efeitos. A busca e desenvolvimento de fontes alternativas às animais para a obtenção de proteínas, se deve, em especial, ao crescimento do público vegano e à maior atenção observada para com a saúde e direito dos animais. Esta vertente se apoia também em indivíduos com particularidades culturais e restrições alimentares e/ou alérgicas, que têm feito com que a procura por produtos à base de vegetais seja cada vez mais comum, e abra espaço para que novas oportunidades surjam. Por consequência, proporciona possibilidades de um novo mercado, mais personalizado para um público disposto a investir em itens de maior valor agregado e que atendam às suas ideologias ou colaborem com dietas restritas.O mercado em movimentoAs perspectivas para o mercado de nutrição esportiva em 2019 são bastante animadoras. As mudanças ocorridas na legislação e o empenho da população em investir na saúde e qualidade de vida trazem otimismo ao mercado. Com o marco regulatório aprovado pela Anvisa em julho de 2018, novas regras foram estabelecidas, permitindo ao consumidor maior facilidade no acesso a produtos seguros e de qualidade. Além disso, a modernização da regulamentação considera uma lista de aditivos, coadjuvantes de tecnologia, substâncias bioativas, enzimas e ingredientes fonte de nutrientes que são autorizados como suplemento. A normativa adota ainda limites mínimos e máximos, e autoriza, em uma lista positiva, as alegações de benefícios à saúde, permitindo um padrão de informação. Como consequência, a criação de uma categoria para os suplementos alimentares propõe reduzir obstáculos à comercialização e à inovação.Além da tendência voltada a produtos de origem vegetal e da descoberta das proteínas a base de planta, com um público cada vez mais atento aos rótulos e disposto a repensar seu consumo de açúcar e gordura, um novo item surge neste panorama: as fibras. Benéficas para a saúde e eficazes na atividade intestinal e controle de peso, as fibras têm se apresentado como uma ótima solução para produtos com teores reduzidos em gordura e açúcar, agregando funcionalidade e valor à formulação.A Nicrom e as novas tendênciasA Nicrom, acompanhando a crescente tendência de consumo voltada à um estilo de vida saudável, aumenta sua linha de produtos e aposta na consolidação deste segmento no cenário nacional. Há 27 anos atuando no mercado de importação e distribuição de insumos para a indústria, a empresa conta com ingredientes de qualidade e fornecedores conceituados, investindo atualmente na seleção de itens-chave para o segmento de nutrição esportiva.Seu portfólio específico para o segmento de suplementos alimentares dispõe de itens essenciais, como por exemplo: a l-glutamina, aminoácido que auxilia no ganho e manutenção muscular, importante no funcionamento normal dos órgãos e do sistema imunológico; a creatina, outro aminoácido, utilizada para hipertrofia muscular, conferindo maior energia durante exercícios físicos de alta intensidade; a maltodextrina, um carboidrato para manter os níveis de energia constantes durante a atividade física e melhorar a recuperação muscular após o exercício; o waxy maize, um suplemento também à base de carboidrato, que fornece energia aos praticantes de atividade física; a polidextrose, um carboidrato com elevado teor de fibra, também excelente agente de corpo aplicado em alimentos com baixo teor de gordura; e a proteína vegetal, promissora opção para a substituição do whey protein.Complementando a linha de nutrição esportiva e atendendo também a outros segmentos, a empresa conta com uma diversificada seleção de edulcorantes, dentre os quais estão o acessulfame de potássio, sacarina sódica, ciclamato de sódio, aspartame, sucralose, xilitol, maltitol e eritritol. Ainda nesta linha de insumos para atender novos mercados mais exigentes e especializados, a Nicrom traz em seu portfólio uma ampla coleção de aromas, resultado da recente parceria realizada com a centenária multinacional japonesa Takasago.Além destes, em seu portfólio são encontrados também insumos base, como corantes naturais e artificiais, sorbato de potássio, benzoato de sódio, ácido cítrico, ácido ascórbico (Vitamina C), ácido lático, citrato de sódio, amido de milho, goma xantana, goma guar, carboximetilcelulose (comercialmente conhecido como CMC), glicerina bidestilada (mista e vegetal), fosfato tricálcico, glúten de trigo, lecitina de soja, óleo mineral e sorbitol.Com uma grande oferta de produtos, a Nicrom apoia o desenvolvimento e a consolidação de novas oportunidades, se assegurando na certeza de continuar crescendo e se atualizando para atender seus clientes com excelência em suas mais diversas demandas. Nicrom Química Ltda.Tel.: (11) 4152-0444nicrom.com.br

Leia Mais
07/05/2018
ATIVIDADE ESPORTIVA & BEM-ESTAR: SAUDABILIDADE EM ALIMENTOS
Em 2017, o mercado global de wellness foi estimado em US$ 3 trilhões, ultrapassando a gigante indústria farmacêutica pela primeira vez na história. Numa análise imediata, esse dado, fornecido pelo bureau de tendências WGSN, indica que as pessoas estão buscando um estilo de vida mais saudável antes de precisar se medicar.A Euromonitor International afirma que a saudabilidade é uma tendência de consumo que ganha status: "O desejo por manter-se em forma é quase universal. À medida que as pessoas optam por exibir seus hábitos através de sessões fitness, roupas esportivas e alimentos com propriedades saudáveis, levar uma vida saudável tornou-se um tipo de status", comenta a editora de tendências Daphne Kasriel-Alexander.Segundo o relatório da Euromonitor International, os consumidores estão mais conscientes sobre os impactos dos hábitos alimentares na qualidade de vida e passam a exigir opções de alimentos mais saudáveis. Mais que isso, aqueles que estão 'acima da média' em termos de tamanho ou necessidades alimentares, por exemplo, exigem das empresas soluções que atendam suas necessidades específicas. Assim, com endosso de especialistas, como nutricionistas, chefs de cozinha, profissionais médicos e fitness, as marcas estão desenvolvendo produtos com adição de ingredientes saudáveis, incluindo vegetais exóticos, vitaminas e fibras. Ingredientes naturais e saudáveisAtendendo este mercado, a Nexira oferece às indústrias ingredientes naturais e funcionais, como destaque, apresentamos o ProthyTM e Guaraná para nutrição esportiva e Acerola e FibregumTM para bem-estar.ProthyTM - Foco em nutrição esportivaA linha ProthyTM é uma solução vegetal composta por proteínas hidrolisadas de: arroz, ervilha, gergelim e trigo. Todas de origem vegetal, com teor de proteína superior a 70% e alto teor de BCAA’s, responsáveis pela construção muscular.ProthyTM R80 é a proteína hidrolisada de arroz, possui 78% de proteínas, e 15% de BCAA’s. Além disso, é hipoalergênica e conta com aminograma próximo ao do leite materno, o que o torna próprio também para formulações infantis.Os BCAA’s (Branch Chain Amino Acids) são aminoácidos de cadeia ramificada compostos de três aminoácidos essenciais: isoleucina, leucina e valina, são muito importantes para os atletas porque auxiliam na recuperação de lesões musculares e na síntese proteica, recuperando e aumentando o músculo para o próximo treino.COMPARATIVO DO PERFIL DE AMINOÁCIDOS DA LINHA PROTHYTM COM A PROTEÍNA ISOLADA DE SOJAOs aminoácidos essenciais são aqueles que não podem ser sintetizados pelo organismo humano, mas são necessários para seu bom funcionamento. Por isso, torna-se necessário ingeri-los por meio de uma alimentação rica em proteínas.As proteínas hidrolisadas possuem vantagens em relação às não hidrolisadas. Proteínas hidrolisadas aceleram de 25 a 50% a digestão de proteínas quando comparadas a proteínas não hidrolisadas e aumentam a disponibilidade de aminoácidos no plasma. O consumo de 35 gramas de proteína hidrolisada é 30% mais efetivo no estímulo de síntese de proteínas no músculo quando comparado ao consumo de proteínas não hidrolisadas num período maior que 6 horas. Por fim, proteínas hidrolisadas aumentam a capacidade de recuperação do músculo e aceleram a reparação de tecidos quando ingeridas após o exercício.ProthyTM R80 é a solução ideal para o crescimento de massa muscular pelas suas propriedades anabólicas e para a redução dos danos musculares pelas suas propriedades anti-catabólicas, que são extremamente importantes em todos os estágios da vida e durante as atividades físicas. Guaraná - Fonte natural de cafeínaA princípio, os produtos energéticos eram destinados apenas a atletas, porém, o mercado evoluiu e diversificou, atualmente há produtos voltados para cada segmento respondendo a necessidades específicas.O Guaraná vêm sendo amplamente utilizado em alimentos, bebidas e suplementos como fonte natural de cafeína, especialmente em refrigerantes, energéticos e produtos para nutrição esportiva. O extrato de Guaraná da Nexira é derivado das sementes da fruta, devido ao seu alto teor de cafeína, ele é empregado como estimulante para a perda de peso, como melhorador de desempenho atlético, e para reduzir a fadiga física e mental. Ele é um pó fino, de cor alaranjada a marrom claro, nossas especificações variam de 1 a 22% de cafeína, ideal para a fortificação com apelo clean label, inclusive pode ser usado como corante natural. Acerola - Fonte natural de Vitamina CDerivado da polpa da fruta, o extrato de Acerola da Nexira é padronizado em vitamina C (17% e 25%). Nossa nova especificação contém 17% de vitamina C nativa, que é, tradicionalmente, o principal ingrediente usado em produtos para a saúde imunológica. Ele é um pó fino, de coloração bege a amarelado e com alta solubilidade, até 80%.FibregumTM - Fibra precursora de bem-estarMuito se tem discutido sobre a importância do intestino para o nosso bem-estar. O intestino vem sendo conhecido como nosso segundo cérebro devido seus milhões de neurônios e trilhões de bactérias em permanente comunicação com o cérebro. A conexão intestino-microbiota-cérebro permite controlar o humor e emoções, por isso a importância do intestino para a manutenção do equilíbrio e bem-estar de todo o organismo.A Nexira oferece o FibregumTM - fibra solúvel de acácia, uma fibra de alta qualidade, com muitos benefícios digestivos e mercadológicos.FibregumTM é um ingrediente clean label: 100% natural, não possui nenhuma modificação química, enzimática ou genética, conta com certificação Kosher e Halal e possui versão orgânica. Cuidadosamente selecionado de árvores de acácia, FibregumTM oferece garantia de 90% de fibra solúvel em base seca atestada pelo método AOAC 985.29.A fibra de acácia é gradualmente fermentada no trato intestinal sem geração de efeitos colaterais, reconhecida como uma fibra Low FODMAP (compostos fermentáveis), pois é um polissacarídeo altamente ramificado, fermentado progressivamente e lentamente no cólon transversal e descendente. Possui efeito prebiótico, pois aumenta o crescimento de bactérias benéficas para a microbiota intestinal, previne bactérias patogênicas e aumenta a produção de Ácidos Graxos de Cadeia Curta (acetato, propionato, butirato), responsáveis pelo bom funcionamento do intestino e pela proteção do epitélio intestinal.Fibregum™ pode ser incorporado em qualquer alimento ou bebida, pela sua excelente estabilidade às condições do processo (temperatura, pH, fermentação, cisalhamento...), além disso, respeita o tema clean label e todos os tipos de dietas (Low FODMAP, glúten free, lactose free, frutose free, baixa caloria e hipoalergênica).A Nexira oferece ingredientes naturais com o mais alto padrão de qualidade e pureza, que vão ao encontro das exigências atuais: atletas em busca de soluções para alta performance, jovens adultos interessados em fontes de energia, senhores que necessitam manter sua vitalidade e qualidade de vida, e atletas casuais que desejam manter-se saudáveis.Nexira Brasil Comercial Ltda. Tel.: (11) 3803-7373nexira.com

Leia Mais
07/05/2018
SUPLEMENTAÇÃO DE MINERAIS PARA A SAÚDE ÓSSEA
CálcioÉ um nutritente essencial para o desenvolvimento de ossos fortes e é um elemento fundamental para nosso esqueleto, 99% do cálcio presente no ser humano se concentra na massa óssea. O osso atua igualmente para manter os níveis de cálcio no sangue, o que é fundamental para o bom funcionamento dos nervos e dos músculos. Se o organismo não for abastecido com o cálcio de que necessita, ele responderá tomando cálcio dos ossos e enfraquecendo-os.A idade de início de incremento de densidade mineral óssea é de 10 a 11 anos nas meninas ede 13 anos nos meninos. Esse incremento permanece até 15 a 16 anos nas meninas e 17 a 18 anos nos meninos, sendo que nas meninas há uma dramática redução na velocidade de ganho de densidade mineral óssea após os 16 anos de idade.Durante a puberdade a ingestão de cálcio para meninos e meninas, segundo a DRI (Dietary Reference Intake) de 1997, deve ser de 1300 miligramas por dia. Para adultos (19 a 50 anos) a ingestão deve ser de 1000 miligramas por dia tanto para homens como para mulheres (DRI, 1997).Em estudos com mulheres pós-menopausadas, observou-se a necessidade de ingestão de, no mínimo, 1200 miligramas de cálcio por dia, para que a atividade física tenha um impacto positivo sobre a densidade mineral óssea.Nos alimentos, podemos encontrar bons teores de cálcio nas hortaliças de folhas verdes escuras como couve e brócolis, nas sardinhas, moluscos e ostras. Outras fontes bastante conhecidas são os leites e derivados como iogurtes e queijos. Pode-se concluir que mais do que benéfico para o desempenho físico, o cálcio é essencial para a promoção e manutenção da saúde, bem-estar físico e mental, não devendo ser negligenciado na nossa alimentação de cada dia.Quantidade de cálcio por porção de alguns alimentos • 1 copo de leite desnatado = 248mg • 1 copo de leite integral = 246mg • 1 copo de iogurte desnatado = 240mg • 1 copo de iogurte integral = 240mg • 1 fatia média de queijo fresco (30g) = 205mg • 1 fatia média de queijo de minas semicurado (30 gramas) = 190mg • 1 fatia média de queijo prato (30g) = 126mg • 1 colher (sopa) de requeijão = 47mg • 1 colher (sopa) de queijo parmesão ralado = 80mg • 1 colher (sopa) de queijo cottage light (30g) = 15mg • 1 colher (sopa) de queijo cottage light (30g) = 21mgFósforo O fósforo é também um nutriente essencial para saúde óssea. Os ossos contêm cálcio e fósforo. Na forma de fosfato, o fósforo compõe mais da metade da massa de osso. Para a construção e manutenção do osso, é necessário um equilíbrio de cálcio e fósforo. Estudos clínicos mostram que os fosfatos de cálcio promovem uma melhora significativa na mineralização óssea e na resistência óssea em comparação com a fortificação de cálcio de forma isolada.O fósforo é regulador da formação óssea e inibidor da reabsorção. Estudos sugerem que ingestão superior a 1.000mg/dia de Ca e relação Ca/P superior a 0,74 foram associados com melhores valores de densidade de massa óssea em mulheres jovens. Nas proteínas animais, o fósforo é encontrado na forma de fosfato, sendo liberado durante a digestão; em contraste, muito do fósforo vegetal é encontrado na forma de fitato, de difícil digestão e, por isso, pouco fósforo é absorvido. No momento do planejamento dietético, deve-se levar em consideração, não somente a proporção Ca/P da dieta, como também a origem (animal ou vegetal), idade, sexo para prevenção/tratamento da perda de massa óssea.Cálcio, sáude óssea e atividade esportiva Além de seu papel na formação dos ossos, o cálcio é essencial também para agregação plaquetária, coagulação sanguínea, formação dos dentes, transmissão dos impulsos neurais, ativação de enzimas, síntese de vitamina D. Com todas essas propriedades, o cálcio também exerce papel fundamental na prática esportiva. Além de compor a maior parte da estrutura óssea fornecendo estrutura suficientemente resistente para a prática de esporte, o cálcio participa de toda a contração muscular. Logo, todo exercício físico é possibilitado em função da presença do cálcio nas fibras musculares. Uma vez que haja deficiência de cálcio na alimentação, a contração muscular, consequentemente a capacidade de realizar um exercício, será prejudicada."Além de compor a maior parte da estrutura óssea fornecendo estrutura suficientemente resistente para a prática de esporte, o cálcio participa de toda a contração muscular".Mulheres que praticam exercício físico de alta intensidade devem tomar cuidado especial com a ingestão de cálcio, pois devido a regulações hormonais sofrem uma tendência maior à perda de massa óssea e risco aumentado de osteoporose."Nos alimentos, podemos encontrar bons teores de cálcio nas hortaliças de folhas verdes escuras como couve e brócolis, nas sardinhas, moluscos e ostras".Sua absorção ocorre no intestino delgado, sendo absorvidos cerca de 20% a 30% da sua ingestão. Este mineral desempenha importante função na liberação do sítio ativo de pontes cruzadas actina-miosina durante a contração muscular, e por isso representa um nutriente essencial na prática esportiva. Estudos indicam que a sarcopenia, ou perda de massa magra, estaria associada à osteoporose, que por sua vez, pode ser desencadeada pela baixa ingestão de cálcio. Na atividade esportiva, a diminuição da massa muscular não é desejável e, neste sentido, o cálcio teria a função de preservação e manutenção da massa magra. A relação do cálcio e a atividade física é bastante citada na literatura pelo fato de que atletas do gênero feminino que não atingem o pico de massa óssea na infância ou adolescência têm maior chance de desenvolver uma perda da massa óssea e risco maior de osteoporose precoce. Atletas de exercícios muito intensostambém tendem a apresentar também menor densidade mineral óssea.Outro consenso sobre a relação cálcio e atividade física é sobre depleção de glicogênio em exercício de força, que está citada em estudos com ratos. Essas evidências demonstram que a depleção de glicogênio poderia resultar na incapacidade de reabsorção do cálcio pelo retículo sarcoplasmático. Esta deficiência esta relacionada à incapacidade das bombas de cálcio funcionarem corretamente, devido ao esgotamento das reservas de ATP.O fosfato tricálcio é uma fonte que reúne em sua composição cálcio e fósforo, ambos importantes para a contrução e manutenção da massa óssea. Contendo tipicamente 38% de cálcio, é uma excelente alternativa para suplementação. A linha VersaCAL® MP oferece alternativas para bases neutras a ácidas, turvas ou transparentes (“clear”) e tamanhos de partícula inferior a 10 microns. Clinicamente comprovado que fosfatos de cálcio oferecem mais benefícios do que o cálcio suplementado sozinho, VersaCAL® M promove melhor saúde óssea, biodisponibilidade semelhante ao leite e dupla fonte de nutrientes: cálcio e fósforo, importantes para a saúde óssea.* Ana Lúcia Barbosa Quiroga é Gerente de P&D e Aplicação da Vogler Ingredients.Vogler Ingredients Ltda. Tel.: (11) 4393-4400 vogler.com.br

Leia Mais
07/05/2018
USO DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES x PERFORMANCE x ATIVIDADE FÍSICA
Os suplementos alimentares são utilizados para complementar a dieta e fornecer nutrientes, como vitaminas, minerais, fibras, ácidos graxos ou aminoácidos, que podem estar faltando ou não podem ser consumida em quantidade suficiente na dieta de uma pessoa. Os suplementos alimentares são usados por praticantes de atividade física, mais comum em praticantes de musculação, no qual, proporcionam nutrientes essenciais como proteínas, carboidratos, aminoácidos, vitaminas e etc. Alguns suplementos: Protéicos: Albumina, Whey Protein, Caseína, Proteína Isolada de soja, Creatina, entre outros. Carboidratos: MaltoDextrina, Dextrose, Hipercalóricos em geral, etc. O uso de suplementos aliado a uma nutrição bem equilibrada, pode reduzir a fadiga, lesões, ou repará-las rapidamente, otimizar o ganho de energia e outros benefícios da saúde. Os suplementos nada mais são que produtos com as características nutricionais idênticas a dos alimentos naturais, a única diferença é que os suplementos são concentrados e encontrados nas lojas na forma de cápsulas, pós, tablets, pastilhas, líquidos, grãos, etc. Os benefícios ou riscos ligados ao consumo dos suplementos são iguais ao excesso ou baixa ingestão de qualquer tipo de alimento, ou seja, se você tem uma dieta com muita ou pouca proteína terá problemas, distúrbios fisiológicos, independentemente, se ingeriu suplementos ou degustou uma carne gordurosa. Serve também para o minerais, vitaminas, carboidratos, entre outros. Todos os suplementos são isolados, o que significa que ele é o nutriente específico para uma dieta equlibrada e correta, como exemplo, Se o suplemento tem um princípio ativo que é carboidrato, ele só tem carboidrato, já um alimento rico em carboidratos, tem outras substâncias. Além de ser indicado para atletas e praticantes de atividades físicas como aditivo natural para melhorar performance e encurtar o tempo de recuperação, os suplementos também são recomendados para o dia a dia de qualquer pessoa saudável, que, eventualmente, apresente algum tipo de déficit de nutrientes. A Falta da alimentação engorda, você sabia? Se o nosso organismo perceber a falta da alimentação/combustível, ele irá automaticamente se defenderá, reduzindo o músculo, e passa a preservar as reservas, ou seja, a gordura. E isso não é legal. Pra quem quer emagrecer, definer, queimar a barriga, não comer, o efeito sera o contrário. O recomendado é que antes dos exercícios a refeição seja leve: Frutas, pão integral, frios magros, iogurte natural e cereais são ótimas opções, pois todas são fonte de energia e não são calóricas. Depois do exercício, você tem até uma hora para ingerir fontes de carboidratos e proteínas. Novamente as frutas e o iogurte natural são boas opções. É essa “refeição” que vai preservar a musculatura do seu corpo, então, não vale pular. Artigo Revista Veja Ganho de massa muscular, emagrecimento, saúde. As pessoas praticam atividade física com objetivos diversos. Para alcançar a meta, não basta se exercitar — é preciso se exercitar do jeito certo. Exagerar na carga, pular o aquecimento e seguir sempre a mesma série são alguns erros que atrabalham o progresso na academia. "Fazer qualquer exercício de maneira incorreta pode causar lesões articulares e musculares, fadiga excessiva, câimbras, falta de ar e diminuição do desempenho e dos resultados nos treinamentos", diz Flavia Martinez, educadora física e diretora do Laboratório do Exercício, da Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Conheça alguns erros comuns na academia. 1. Fazer apenas musculação ou exercício aeróbio Ambas as modalidades são complementares. "No caso das pessoas que fazem musculação, atividades aeróbias, como a corrida, aumentam a capacidade do sistema de oxigenação, pouco trabalhado no levantamento de peso", explica Paulo Correia, fisiologista do esporte da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Já quem se dedica apenas ao exercício cardiovascular precisa da musculação para prevenir lesões — com pouca massa magra, o trabalho das articulações fica limitado e fragilizado. Uma das formas de combinar as duas modalidades é o treinamento em circuito, que consiste em fazer exercícios de musculação sem pausas entre eles. Esse treinamento eleva a frequência cardíaca e queima mais calorias do que a musculação convencional. 2. Não respeitar o intervalo entre as séries O descanso entre séries é essencial para o músculo se recuperar para a próxima rodada de repetições. É nesse intervalo em que há a liberação de hormônios importantes para o crescimento muscular, o aumento da força e a queima de gordura: o GH e a testosterona. O Colégio Americano de Medicina do Esporte sugere intervalos de 2 a 3 minutos entre as séries de musculação.3. Esquecer-se de alongar A flexibilidade facilita a movimentação correta do corpo e potencializa o rendimento de exercícios como musculação e corrida. Por isso, o alongamento é importante. A recomendação é alongar-se em dias diferentes do treino aeróbio e anaeróbio e respeitar o próprio limite de alongamento. "A falta de flexibilidade causa encurtamento dos músculos, o que dificulta o movimento e diminui a força", diz Paulo Correia. 4. Extrapolar os limites do corpo no exercício aeróbio A corrida, o ciclismo e outros exercícios aeróbios beneficiam o sistema cardiovascular e aliviam o stress — desde que praticados dentro de um limite saudável. Dores musculares mais fortes do que o normal durante o exercício e no dia seguinte à prática são conhecidos sinais de que se ultrapassou o limite. Outra evidência é a falta de ar. "Se uma pessoa sentir falta de ar durante o exercício, precisa diminuir o ritmo”, diz Luiz Fernando Kruel, especialista em ciência do movimento humano e coordenador do grupo de pesquisas de atividades aquáticas e terrestres da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).Antes de começar a praticar treinos aeróbicos, é recomendável submeter-se a um teste ergométrico, exame que avalia a resposta cardíaca a diferentes intensidades de exercício e define a frequência cardíaca máxima individual. O teste pode, ainda, diagnosticar sintomas relacionados a doenças no coração. Outra dica é, durante o exercício, utilizar um frequencímetro, dispositivo que mede a frequência cardíaca. "Na falta do aparelho, a sensação subjetiva do esforço — leve, moderado, forte e muito forte — também serve de parâmetro", diz Renata Castro, coordenadora do Serviço de Clínica Médica do Hospital Oeste D'or e especialista em medicina do exercício e do esporte. 5. Exagerar na carga Esse é um erro comum entre os adeptos da hipertrofia, modalidade de musculação focada no ganho de massa muscular. A cada contração, as fibras musculares sofrem microlesões, que, ao se regenerarem, tornam o músculo mais resistente e volumoso — o desejo de todo atleta. O problema é que o peso exagerado pode fazer o músculo se distender demais e, no processo de regeneração, criar fibroses, machucados que causam perda de elasticidade. "Além disso, ao exagerar no peso, a pessoa transfere o esforço do exercício para outras articulações e, principalmente, para as costas, o que pode lesionar seriamente a coluna", explica Flavia Martinez, educadora física e diretora do Laboratório do Exercício, da Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 6. Seguir treinos muito longos para emagrecer Caminhar na esteira por uma hora? Se o desejo é emagrecer, essa não é a melhor estratégia. Treinos longos de baixa intensidade, além de ser um convite à monotonia, queimam menos calorias do que os curtos (até 30 minutos de duração) e intensos, que mantêm os batimentos cardíacos acima de 80% da frequência cardíaca máxima. "Em exercícios de alta intensidade, o metabolismo permanece acelerado por até uma hora após o treino", explica Luiz Fernando Kruel. O campeão de queima calórica é o treino intervalado, que consiste em alternar entre intensidades muito altas (até 90% da frequência cardíaca máxima) e baixas a médias (até 70%). "Manter a mesma intensidade por 30 minutos, mesmo que alta, gasta 50% menos energia do que intercalá-las", diz Kruel. 7. Seguir sempre a mesma planilha de exercícios Os músculos precisam de estímulos variados para se desenvolver. Passar mais de três meses repetindo a mesma série de musculação faz com que os músculos se adaptem ao exercício e parem de crescer. Pequenas variações já trazem resultados. "Mudar a forma de pegar o peso ou a posição do banco já oferecem um novo estímulo ao organismo", diz Paulo Correia. 8. Pular o aquecimento O aquecimento é uma das etapas mais importantes do treino, principalmente para quem treina com cargas altas e ritmo forte. Caminhar ou correr por 15 minutos na esteira prepara os músculos para o estímulo da musculação. "Caso os músculos não estejam prontos e sejam recrutados de maneira intensa, podem sofrer lesões e distensões musculares", diz Renata Castro. 9. Vestir roupas impróprias Usar roupas que facilitam a realização dos movimentos é essencial na prática de exercícios. O mito de que quanto mais quente for a vestimenta e mais suor ela produzir, mais calorias são queimadas, deve ser abandonado. Uma roupa quente pode bloquear a saída do suor, causar desidratação e baixar a pressão. Prefira peças leves e frescas. 10. Negligenciar a postura nos exercícios A postura correta é aquela em que a coluna está alinhada ao centro de gravidade do corpo. Essa posição é mais confortável e evita machucados na coluna. A supervisão de professores e o auxílio dos espelhos ajudam a encontrar a posição adequada. "É importante lembrar que nem sempre manter a coluna totalmente reta é o ideal. Por isso, o acompanhamento do educador físico é importante, sobretudo nas primeiras vezes em que o exercício for feito", diz Paulo Correia.Para quem faz uso dos cinturões posturais (que ajudam a pessoa a estabilizar a coluna e, assim, pegar mais peso), a chance de criar dependência é grande. "Quando a pessoa fizer algum exercício sem o acessório, ela poderá ter uma lesão na lombar ou na coluna. O cinturão foi feito para halterofilistas. Frequentadores normais de academia não devem usá-lo", explica Correia. 11. Não ter uma rotina de treino Treinar uma semana sim, duas não; sumir da academia por um mês; não se exercitar por quatro dias seguidos. Esses são alguns exemplos de falta de rotina no treinamento. "Caso a pessoa não mantenha a regularidade no treinamento, ela não colherá benefícios cardiovasculares e musculares. O corpo precisa ser exercitado regularmente para sair da fase de acomodação e fazer as mudanças necessárias para se adaptar ao estímulo do exercício", diz Flavia Martinez. 12. Exercitar apenas alguns grupos musculares O corpo é formado por músculos antagonistas e agonistas, que se sustentam e trabalham simultaneamente — um exemplo é o abdômen e a lombar. Para que os treinos tenham bom aproveitamento, é preciso que esses grupos musculares estejam em equilíbrio. "Caso a pessoa exercite o anterior de coxa e deixe de trabalhar o posterior, por exemplo, o joelho ficará fragilizado e mais suscetível a lesões", diz Flavia Martinez. Exercitar o corpo como um todo também é importante para a realização correta dos exercícios, principalmente aqueles que não isolam o músculo, feitos com pesos livres. *Fontes: Paulo Correia, fisiologista do esporte da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Renata Castro, coordenadora do Serviço de Clínica Médica do Hospital Oeste D'or e especialista em medicina do exercício e do esporte, Flavia Martinez, educadora física e diretora do Laboratório do Exercício, da Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Luiz Fernando Kruel, especialista em ciência do movimento humano e coordenador do grupo de pesquisas de atividades aquáticas e terrestres da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Fonte: Revista Veja Cigarro x Atividade Física De longe o cigarro é considerado o pior hábito destrutivo para o nosso corpo. Normalmente as pessoas que fazem atividade física, param de fumar, pois percebem o impacto negativo na sua performance diária. Fumar diminui a sua capacidade aeróbica, tem efeito imediato na respiração, aumentando a resistência da passagem do ar e reduzindo a quantidade e oxigênio absorvido no sangue, o batimento cardíaco de um fumante é 30% mais rápido do que o normal, isto força o corpo a gastar mais energia devido ao batimento mais acelerado do coração, isto acontece por causa dos efeitos estimulantes da nicotina. Quem fuma produz duas vezes mais muco do que uma pessoa não fumante: O muco é liberado nas vias respiratórias e em excesso dificulta a respiração normal de uma pessoa. O que também acarretará em uma queda na performance. O destutivo monóxido de carbono do cigarro tem uma afinidade maior com as hemoglobinas (molécula que carrega oxigênio pelo corpo), do que o próprio oxigênio. O ato de fumar faz com que você abasteça o seu corpo com monóxido de carbono em vez de oxigênio, conclusão, uma queda de oxigênio resulta em queda de força e performance. Benefícios da Atividade Física Na Terceira Idade A cada dia mais evidências científicas apontam benefícios de um estilo de vida ativo na manutenção da capacidade funcional e da autonomia física durante o processo de envelhecimento. Além dos benefícios já citados anteriormente pela atividade aeróbica existem também importantes benefícios do treinamento de força muscular no adulto e na terceira idade, tais como: Melhora da velocidade de andar Melhora do equilíbrio Aumento do nível de atividade física espontânea Melhora da auto-eficácia Contribuição na manutenção e/ou aumento da densidade óssea Ajuda no controle do Diabetes, artrite, Doença cardíaca Melhora da ingestão alimentar Diminuição da depressão Uma das principais causas de acidentes e de incapacidade na terceira idade é a queda que geralmente acontece por anormalidades do equilíbrio, fraqueza muscular, desordens visuais, anormalidades do passo, doença cardiovascular, alteração cognitiva e consumo de alguns medicamentos. O exercício contribui na prevenção das quedas através de diferentes mecanismos: Fortalece os músculos das pernas e costas; Melhora os reflexos; Melhora a sinergia motora das reações posturais; Melhora a velocidade de andar; Incrementa a flexibilidade; Mantém o peso corporal; Melhora a mobilidade; Diminui o risco de doença cardiovascular. Segundo dados científicos a participação em um programa de exercício leva à redução de 25% nos casos de doenças cardiovasculares, 10% nos casos de acidente vascular cerebral, doença respiratória crônica e distúrbios mentais. Talvez o mais importante seja o fato que reduz de 30% para 10% o número de indivíduos incapazes de cuidar de si mesmos, além de desempenhar papel fundamental para facilitar a adaptação a aposentadoria. Fonte: Extraído do artigo - Vida ativa para o novo milênio Victor K. R. Matsudo - Revista Oxidologia set/out: 18-24, 1999 Suplemento vitamínico e mineral pode melhorar a memória A ingestão de suplementos com vitaminas e minerais pode ajudar a melhorar a memória de adultos conforme eles envelhecem. É o que aponta uma pesquisa francesa publicada no American Journal of Clinical Nutrition. Segundo os pesquisadores, a ingestão desses suplementos no longo prazo pode melhorar as habilidades de pensamento e de memória. Para Geraldine McNeil, nutricionista da Universidade de Aberdeen, na Grã-Bretanha, os resultados não são tão alarmentes a ponto de que a ingestão de suplementos vire uma indicação geral. Segundo ela, o achado ainda deixa questões em aberto aberto. Porém, a especialista afirma que uma melhoria na dieta de pessoas com deficiências de vitaminas e minerais pode vir a ajudar na memória. Levantamento - Para tentar entender essa correlação, a equipe francesa analisou mais de 4.500 voluntários, entre homens e mulheres. Em 1994, quando os participantes tinham de 45 a 60 anos, os pesquisadores os separaram em dois grupos. Metade deles tomou suplementos diários com vitaminas C e E, selênio, zinco e betacaroteno por oito anos. Os demais tomaram placebo. Após os oito anos, os pesquisadores pararam de dar as pílulas aos participantes, e eles puderam escolher por eles mesmos se continuariam a tomar os suplementos ou não. Seis anos depois disso, eles foram trazidos de volta para testes de memória, que incluíam problemas com palavras e números para mensurar diferentes tipos de memória e flexibilidade mental. Enquanto o grupo que tomou placebo teve performances similares na maioria dos testes, os participantes que tomaram os suplementos bateram seus pares em testes de memória de longo prazo, nos quais eles tinham de se lembrar de palavras em diferentes categorias. “Nossos resultados devem ser considerados com cuidado”, os autores ressaltaram, no entanto. Segundo Geraldine, a maioria das pessoas pode encontrar as vitaminas e nutrientes ingeridas nos suplementos na própria dieta – por exemplo, bebendo sucos de frutas e óleos vegetal. “Tomar suplementos deve ser uma última opção.” Fonte: Revista Veja 7 dicas para começar a mudar os maus habitos alimentares 1. Estabelecer uma meta de horáros para as refeições Comer regularmente, se possível 6 refeições diárias (café da manhã, pequena refeição antes do amoço, almoço, lanche da tarde, jantar e leve refeição antes de dormir) ajuda a evitar "picos" de fome e reduz a intensidade da sensação de vazio no estômago. 2. Comer a quantidade necessária para se satisfazer. Caso tenha fome logo após o almoço ou jantar, isso significa que você não ingeriu a quantidade suficiente durante a refeição, lembre-se, não é o tamanho do prato e sim o que foi ingerido, por isso, sempre é fundamental a consulta de um(a) nutricionista. 3. Evite doces, chocolates,biscoitos, etc, sempre mantenha saladas e frutas na geladeira, assim, quando surgir aquele fome desesperada de comer o que vir pela frente, come estes. 4. Preencha o vazio no estômago com alimentos leves se sentir vontade de beliscar alguma coisa, analise se relamente é fome ou ansiedade. 5. Evite, nas festas, separar um porção de docinhos e salgadinhos em um prato. Comer um, não mata ninguém, . 6. Elabore e anote um diário das refeições diárias da sua alimentação, assim, você poderá analisar o que pode estar certo ou não. 7. Crie a sua balança das emoções, Você perceberá quando estará com ansiedade ou não. A Proteic é especializada na importação e distribuição de ingredientes para as industrias alimentícias em geral. Nesta matéria focamos nossa linha de materias-primas que fornecemos para as empresas de suplementos do Setor. Eduardo Brito Diretor de Novos NegóciosPROTEIC INGREDIENTS LTDA. Tel.: (11) 4646-1576proteic.com.br

Leia Mais
01/04/2017
A IMPORTÂNCIA DOS AMINOÁCIDOS NA SUPLEMENTAÇÃO ESPORTIVA
A prática de atividade física é essencial para a manutenção da saúde, mas requer atenção a fim de produzir resultados benéficos e evitar efeitos indesejados, como catabolismo muscular, dor, fadiga e até mesmo lesões, pois quando nos exercitamos, mexemos com todo o nosso corpo, não somente a parte externa, mas a interna também: vários mecanismos são acionados e os aminoácidos podem ajudar a mantê-los em equilíbrio, além de contribuírem para a melhora do desempenho esportivo!Os aminoácidos são considerados como a base da vida, pois seu agrupamento constitui as proteínas que por sua vez são as principais responsáveis pela estrutura do corpo humano. Além disso, os aminoácidos também estão presentes como moléculas livres no interior das células e no plasma, desempenhando várias funções fisiológicas de acordo com cada tipo de aminoácido.Durante a prática de atividade física, um dos efeitos adversos é a proteólise (degradação da proteína muscular) como forma de se obter energia. Isso ocorre pois quando a glicose, fonte de energia, é exaurida como resultado do exercício, os BCAAs, aminoácidos de cadeia ramificada, a saber: leucina, isoleucina e valina, passam então a serem utilizados como fonte de energia e, consequentemente sua concentração no sangue cai. No entanto, como o corpo humano luta para manter constante a concentração de aminoácidos no sangue, a diminuição dos BCAAs é compensada com a quebra das proteínas musculares. Se em tais ocasiões quantidades suficientes de BCAAs forem fornecidas via ingestão, a quebra dos músculos tenderá a ser suprimida. Além de reduzir o catabolismo proteico, os BCAAs, atuando na reconstrução das fibras musculares danificadas pelo exercício e ao longo de um programa de treino e suplementação, aumentando a massa magra. Como resultado, melhorando a resistência e também a força muscular. Dentre os BCAAs, a leucina particularmente, têm ação estimulante da síntese proteica muscular pois ela age ativando o mTOR1, um fator que age como sinalizador para ativação da síntese de proteína muscular. Ela é conhecida a bastante tempo por seus benefícios na síntese proteica e, existem relatos recentes sobre estudos de intervenção em larga escala com pessoas idosas em que a ingestão de aminoácidos essenciais com alta concentração de leucina revelou-se capaz de aumentar a massa magra corporal de modo que hoje em dia se dá atenção especial aos achados de tais pesquisas nos campos de nutrição esportiva e até mesmo geriátrica.Além de sua participação na manutenção ou aumento de massa muscular através da promoção da síntese da proteína muscular, bem como na inibição da quebra desta, o BCAA também inibe a mialgia (dor muscular) e reduz a fadiga central, tornando possível o treino frequente. A fadiga central ocorre quando o aminoácido triptofano é transportado do sangue para o cérebro, sendo então convertido em serotonina e melatonina, entre outros componentes. Os mesmos transportadores que lidam com o triptofano também transportam BCAAs para o cérebro, e a facilidade com que carregam cada aminoácido para o cérebro aumenta de acordo com o aumento de sua concentração no sangue em relação aos demais. Durante exercícios, os BCAAs são consumidos como fonte de energia, levando assim á diminuição de sua concentração no sangue e isso resulta no aumento da concentração relativa do triptofano, que é transportado paa o cérebro, levando à fadiga central. Caso os BCAA sejam fornecidos a partir da ingestão, a sua concentração no sangue aumenta, de modo que o transporte de triptofano para o cérebro é reduzido, consequentemente reduzindo a chance de fadiga central. Diversos estudos também comprovaram a redução da dor muscular em até 50% com a ingestão de BCAAs quando comparado à prática de exercício sem suplementação.Uma grande vantagem em ingerir os aminoácidos livres é que estes ficam disponíveis na corrente sanguínea muito mais rapidamente (em torno de 25 minutos após a ingestão) do que quando ingere-se proteína, pois esta precisa primeiro ser digerida e quebrada em aminoácidos (processo que leva em torno de 2 a 4 horas) para que então eles estejam disponíveis para uso no organismo. Esta vantagem é particularmente importante quando se deseja dar o aporte necessário de aminoácidos ao corpo no momento em que há maior demanda, como durante exercícios de longa duração ou logo após exercícios intensos. Para maior eficácia do processo de prevenção da proteólise ou da síntese proteica, é importante que os aminoácidos estejam disponíveis no momento em que o organismo necessita. Para tanto a cinética da absorção dos aminoácidos a partir da nutrição é fundamental. Comparada à ingestão de proteínas, a suplementação com aminoácidos livres é mais eficaz também por ser seletiva, evitando o aporte de outros nutrientes não necessários para o objetivo da suplementação.Os aminoácidos podem ser classificados do ponto de vista nutricional em essenciais e não essenciais, onde os essenciais são aqueles que devem ser obtidos através da ingestão, posto que não podem ser sintetizados no corpo humano e, os não essenciais são aqueles sintetizados pelo organismo a partir de componentes da dieta, porém é sabido que em determinadas condições qualquer aminoácido pode se tornar essencial, sendo necessário sua ingestão, como é o caso por exemplo da glutamina.A glutamina é um dos aminoácidos livres mais abundantes no organismo, sendo utilizada como fonte de energia em diversos tecidos. Também é considerada um aminoácido fundamental no desenvolvimento do bebê, estando presente em grandes quantidades no leite materno. Ela é exaurida com mais facilidade após o exercício físico, em situações de estresse e após procedimentos invasivos, como cirurgias, podendo ser considerada um aminoácido semi essencial. Uma maior resistência imunológica depende de uma boa barreira à translocação bacteriana do interior do intestino para a corrente sanguínea, sendo possível inclusive afirmar que a barreira intestinal é responsável por até 70% da proteção imunológica do corpo humano! A glutamina atua junto com as células intestinais na função de manutenção e aprimoramento de suas defesas, contribuindo para a preservação da melhora da imunidade. A glutamina é fonte de energia para as células epiteliais que compõem a barreira intestinal, auxiliando a manter o volume habitual de células e contribuindo para o funcionamento saudável do intestino delgado. Ela também promove o aumento de proteínas que melhoram a função barreira, incluindo as de choque térmico e a ocludina através de sua participação na via biossintética das hexosaminas. Além disso, a glutamina presente no plasma sanguíneo ajuda a promover a multiplicação das células de defesa do sistema imunológico, conhecidas como neutrófilos. A concentração de glutamina plasmática é menor após o exercício prolongado e isto pode contribuir para a imunodepressão do atleta, deixando-o exposto a infecções oportunas uma vez que essa redução de sua concentração após a atividade física prolongada tem efeito direto na multiplicação dos neutrófilos de modo que em número insuficiente, podem não dar conta de atuar sobre os microrganismos invasores, expondo o corpo às infecções decorrentes desta invasão. Um estudo realizado por 28 dias com 76 pessoas evidenciou os efeitos de melhora da imunidade através da suplementação da glutamina, reduzindo a taxa de infecção. Especificamente com atletas outros estudos foram conduzidos e foi possível identificar também neste grupo de pessoas uma melhora na imunização pós-exercício devido á ingestão oral de glutamina, reduzindo significativamente o risco de doenças infecciosas após o exercício por meio do fortalecimento do sistema imunológico. Houve queda na taxa de infecção por gripe e melhora no sistema imunológico após maratonas.Especializada na pesquisa e desenvolvimento de aminoácidos a mais de cem anos, a Ajinomoto produz aminoácidos com alto nível de qualidade, atendendo a diferentes compêndios internacionais. A organização detém mais de 4.000 patentes e investe continuamente em Pesquisa & Desenvolvimento, o que explica seu pioneirismo e inovação, mantendo-se na posição de líder mundial na produção e desenvolvimento de tecnologias para aminoácidos.A Ajinomoto está presente no Brasil a mais de 60 anos e, através da Divisão AminoScience produz e comercializa aminoácidos para uso humano no Brasil e em toda a América Latina, com o compromisso de estabelecer tecnologias de produção sustentáveis e ecologicamente corretas.* Tatiana Gargalaka - AjinomotoAjinomoto do Brasil Indústria e Comércio de Alimentos S.A.Tel.: (11) 5908-8778aminoscience.com.br

Leia Mais
01/04/2017
DIETAS VEGETARIANAS E DESEMPENHO ESPORTIVO
De acordo com as publicações científicas atuais, a prática vegetariana pode proporcionar diversos benefícios à saúde humana. De acordo com dados da Associação Dietética Americana, os principais benefícios desse tipo de dieta são:- Redução das mortes por infarto.- Menor mortalidade por doenças cardíacas em geral.- Baixos níveis de colesterol no sangue.- Queda nos índices de pressão arterial.- Diminuição do risco de apresentar diverticulite (inflamação que atinge principalmente o intestino grosso).- Menor probabilidade de apresentar Diabetes.- Redução da incidência da obesidade e das doenças associadas a ela.- Risco menor de desenvolver câncer de próstata e de intestino grosso.Dietas vegetarianas apresentam-se compatíveis com a prática esportiva cotidiana, desde que bem planejadas para evitar deficiências nutricionais.Vegetarianos ingerem frequentemente grandes quantidades de carboidratos, fibras dietéticas, vitaminas, minerais e antioxidantes, sendo necessário maior atenção na dieta desses indivíduos no que diz respeito a ingestão de proteínas e aminoácidos essenciais. Pesquisas indicam que vegetarianos e não vegetarianos apresentam capacidade aeróbica semelhante. Vegetarianos, em geral, ingerem menor quantidade de proteínas e com menor valor biológico, merecendo atenção especial em atividades de força e potência muscular.Necessidades nutricionais de atletasEnergiaDe acordo com o posicionamento do American College of Sports Medicine, a baixa ingestão energética pode resultar em perda de massa muscular, distúrbios no ciclo menstrual das atletas, perda de massa óssea e aumento do risco de desenvolverem fadiga e lesões. Atletas de endurance necessitam de dieta rica em carboidratos para otimizar os estoques de glicogênio muscular e hepático. Para esses indivíduos, a ingestão diária de carboidratos deve ficar na faixa de 500g a 800g (8 a 10g/kg/dia), e representar 60% a 70% da ingestão energética diária total.. Estudos demonstram que a deficiência energética parece não representar grande preocupação para os vegetarianos e que não há diferenças de performance, independente do tipo de dieta, vegetariana ou não, mas é necessária atenção especial para que se alcance uma ingestão adequada de energia, caso contrário o desempenho pode ser prejudicado. As dietas vegetarianas, frequentemente, possuem altas taxas de carboidratos, disponibilizando substrato para uma melhor síntese de glicogênio.ProteínasCom relação a ingestão proteica, vegetarianos normalmente apresentam valores mais baixos, quando comparados a indivíduos não vegetarianos. Além disso, em geral, a qualidade das proteínas de origem vegetal é considerada de baixo valor biológico, visto que são incompletas quanto à composição de aminoácidos. O conteúdo proteico dos alimentos de origem vegetal é frequentemente menor, além de apresentar menor valor biológico, pois possui aminoácidos limitantes. A quota dietética recomendada (RDA) de proteínas é de 0,8g/kg de peso por dia. Sabe-se, porém, que atletas de força e endurance necessitam de uma maior ingestão proteica, quando comparados a população saudável sedentária. Estudos sugerem que atletas de força, potência ou velocidade aumentem a ingestão para 1,7 a 1,8g/kg/dia e atletas de endurance para 1,2 a 1,4g/kg/dia. Quantidades superiores parecem não exercer um efeito adicional na performance. Alcançar a adequação de proteínas, em termos quantitativos, a partir de fontes vegetais, é possível, mesmo em uma dieta vegan, sendo primordial a combinação de diferentes fontes dietéticas para que se garanta a ingestão balanceada de aminoácidos.Proteína hidrolisada de trigo na nutrição esportivaProteínas de trigo são ricas em aminoácidos ramificados (BCAAs) como leucina, isoleucina e valina em concentrações variáveis. BCCAAs representam cerca de 35% dos aminoácidos nos músculos, sendo essenciais para redução do dano muscular após o exercício e estimular a síntese muscular. O perfil de aminoácidos de proteínas de trigo é caracterizado pela alta concentração de Glutamina (36%, 41% na forma hidrolisada) e prolina (12%), além da excelente digestibilidade. Fonte: TereosAminoácidos são os elementos de construção das proteínas e cada um tem uma função específica na nutrição. A Glutamina e glutamato são percursores dos componentes do ciclo de Krebs e são substratos para energia para várias células.A Glutamina é o aminoácido mais abundante no sangue e músculos e é um aminoácido essencial na nutrição de praticantes de intensa atividade esportiva. Durante a prática esportiva de intensidade moderada a intensa, há uma demanda elevada de aminoácidos de cadeia ramificada (BCCAs) e uma forte redução do nível de glutamina muscular que necessita ser reposto no período pós-treino. Há evidências de que a suplementação de Glutamina seja importante para acelerar a recuperação muscular e melhorar a defesa natural que possa ocorrer em decorrência da deficiência desta.Estudos têm relacionado o treinamento intenso e exercícios de longa duração com a diminuição da resposta imune. Essa condição decorre de alterações hormonais e do metabolismo dos músculos esqueléticos e das células envolvidas no mecanismo de defesa. Essa situação é prejudicial ao atleta não apenas pela impossibilidade de continuação do programa de treinamento e pela queda do desempenho nas competições, mas também pelas consequências fisiológicas relacionadas à sua própria saúde. A diminuição da concentração plasmática de Glutamina tem sido mencionada por diversos autores como o fator que reduz a funcionalidade dos leucócitos, deixando o atleta mais vulnerável a infecções Os músculos esqueléticos são a principal fonte da glutamina circulante, que por sua vez é imprescindível para o metabolismo e funcionalidade dos leucócitos. A importância da suplementação de Glutamina vem sendo estudada em processos que envolvem respostas imune e inflamatória. A concentração plasmática de glutamina diminui em condições de estresse, tais como em pacientes queimados, durante a septicemia, pós-cirurgia, após exercícios de resistência e no supertreinamento. Proteínas de trigo hidrolisadasProteínas sob a forma hidrolisada, comparadas com proteínas na forma intacta, melhoram a digestão e a absorção protéica. Proteínas intactas de longas cadeias de peptídeos necessitam ser hidrolisadas previamente pelas enzimas do intestino, portanto proteínas hidrolisadas têm maior disponibilidade de aminoácidos, o que melhora sua incorporação no músculo. Fonte: TereosHá evidências de que, em exercícios intensos e prolongados, a ingestão de fluidos contendo glutamina, presentes em alta concentração em proteínas hidrolisadas de trigo, reduz a incidência de infecções, melhorando a resposta imune de atletas.Estudos apontam que a suplementação de atletas de maratonas com 10g a 20g de proteína hidrolisada de trigo até 1 hora após a corrida reduz significativamente os danos musculares após o exercício. O mecanismo estaria associado com a combinação de BCAA e glutamina com alta disponibilidade.O consumo de proteínas hidrolisadas de trigo contribui para atender os requisitos nutricionais de atletas, sendo uma opção para as dietas vegetariana. A alta disponibilidade de aminoácidos e a alta concentração de glutamina de proteínas hidrolisadas de trigo são um diferencial com relação a outras fontes proteicas vegetais. Creatina A creatina é um composto que contém carbono, hidrogênio e nitrogênio que tem duas fontes:sintetizada pelo próprio organismo nos rins, pâncreas e fígado a partir de três aminoácidos: glicina, arginina e metionina.Ingestão de alimentos, especificamente carnes.Os estoques intracelulares de creatina total giram em torno de 120-125mmol/kg de peso seco, resultando em cerca de 120g para um indivíduo de 70kg, sendo que 95% desse valor é encontrado nos músculos. Aproximadamente 2g (em torno de 1,6% do total) por dia de creatina é catabolizado em creatinina e excretado pelos rins. A necessidade de creatina é suprida tanto pela ingestão alimentar, quanto pela síntese endógena. Em torno de 1g é obtido, normalmente, em dietas não vegetarianas, enquanto que o restante é sintetizado endogenamente. Os níveis de creatina intramusculares dos vegetarianos são mais baixos, o que pode afetar o rendimento em exercícios. Especulava-se que indivíduos vegetarianos apresentariam concentração total de creatina menor que aqueles que seguem uma dieta onívora. Assim, apresentariam melhor resposta à suplementação, devido ao maior aumento de creatina no organismo, pois um maior efeito ergogênico é encontrado nos indivíduos que apresentam, antes da suplementação, baixos níveis musculares do composto.Algumas investigações foram realizadas para elucidar essa questão. Estudos demonstraram que indivíduos que retiraram produtos cárneos da dieta por 21 dias apresentaram diminuição nos níveis musculares de creatina. Entretanto, após a suplementação, seus níveis de creatina não apresentaram diferença significativa em relação aos dos indivíduos que continuaram com o consumo de carnes e também receberam suplementação.O consumo de creatina junto com glicose, cerca de 100 g, aumenta o conteúdo muscular deste composto em aproximadamente 10%, conforme exposto por Green et al. (1996). Há uma elevação da captação de creatina pela fibra muscular, e, consequentemente, sua ingestão com este carboidrato simples pode aumentar o efeito ergogênico. O processo parece ser mediado pela insulina.Função imunológicaEspeculou-se se a dieta vegetariana poderia ocasionar impacto negativo sobre a função imunológica, mas a retirada da carne da dieta não parece ocasionar efeitos adversos sobre essa função. Entretanto, sabe-se que o treinamento exaustivo pode causar impacto negativo sobre a função imunológica em atletas, independentemente do tipo de dieta, aumentando a suscetibilidade a infecções, como do trato respiratório superior. Afirma-se que a suplementação de Glutamina, presente em altas concentrações na Proteína Hidrolisada de Trigo, exerça efeito positivo nesse sentido, atenuando o quadro de imunossupressão pós-exercício.Embora com qualidade nutricional diferente da onívora, a dieta vegetariana, desde que supra as adequações nutricionais do atleta, não prejudica o seu desempenho aeróbio, desempenho hipertrófico ou de força e potência muscular, desde que a dieta seja bem planejada para atender as necessidades específicas na prática esportiva.* Ana Lúcia Barbosa Quiroga é gerente de Desenvolvimento e Aplicação da Vogler Ingredients. Vogler Ingredients Ltda.Tel.: (11) 4393-4400 vogler.com.br

Leia Mais
Anterior
Próximo
1 / 3

Telefone:

11 5524-6931       11 99834-5079

Newsletter:

Fique conectado:

© EDITORA INSUMOS LTDA.

Av. Sargento Geraldo Santana,
567 – 1º andar
CEP 04674-225
São Paulo, SP - Brasil

001